CGD corta spread da casa para 1,23%. Passa BCP, Novo Banco e BPI

Pela terceira vez em pouco mais de um ano, o banco público desce a margem mínima que se dispõe a cobrar para financiar a compra de casa. Com este último corte deixa de ser o banco mais "caro".

A banca está em “luta cerrada” no crédito à habitação. A Caixa Geral de Depósitos (CGD) baixou o spread mínimo do crédito à habitação para 1,23%, apurou o ECO. Com este movimento, o banco liderado por Paulo Macedo junta-se ao conjunto de cinco bancos que, desde o início do ano, já tomaram decisões semelhantes. E deixa ainda de ser o banco mais “caro” do mercado, passando a apresentar uma taxa abaixo da do BCP, Novo Banco (NB) e BPI.

A revisão em baixa do spread da CGD acontece já esta quinta-feira. Desta data em diante o banco passa a aplicar uma margem a partir de 1,23% para financiar a compra de casa, depois de ter mantido o spread mínimo nos 1,3% nos últimos dez meses. Mais em específico, desde junho do ano passado. Para o banco público trata-se ainda da terceira revisão em baixa no espaço de pouco mais de um ano.

Esse corte acontece poucos dias depois de o EuroBic também ter revisto em baixa a sua margem mínima, dos 1,49% para 1,2%, movimento que permitiu ao banco liderado por Teixeira dos Santos deixar de ter a oferta mais “cara” e passar a integrar o conjunto de bancos mais “baratos”. Mas tal, deixou a CGD com o estatuto do banco menos competitivo na oferta de crédito à habitação.

“A Caixa é líder na carteira de crédito à habitação e está atenta ao mercado”, disse na altura fonte oficial do banco confrontada pelo ECO com esse novo cenário, negando comentar uma eventual reação em resultado desse novo quadro de spreads. As dúvidas ficam agora desfeitas. Ao baixar o seu spread para 1,23%, a CGD ultrapassa o BCP, NB e BPI que oferecem todos spreads mínimos de 1,25% e que, a partir de agora, passam também a partilhar o estatuto dos bancos com a oferta menos competitiva.

Sobem para seis as revisões. Intervalo de spreads encolhe

No seguimento da revisão em baixa da Caixa, encolhe o intervalo entre os spreads mínimos oferecidos pelos dez bancos nacionais mais representativos do mercado de crédito à habitação. Este passa a abranger o intervalo entre o o mínimo de 1% disponibilizado pelo Bankinter, seguido de bem perto pelo Banco CTT (1,1%), e o máximo de 1,25% oferecidos pelo BCP, NB e BPI.

Quando o ano arrancou o intervalo ia dos 1% aos 1,5%, antes de uma “chuva” de revisões em baixa de spreads nos primeiros meses deste ano. O BPI foi o primeiro, ao descer a margem mínima, em fevereiro, para 1,25%. Em março outros três bancos deram passos semelhantes. Em concreto o Santander Totta e o Crédito Agrícola que colocaram a margem mínima nos 1,2%, e o Montepio que reduziu o seu spread para 1,175% no âmbito de uma campanha de comemoração dos 175 anos da instituição financeira que dura até setembro. Em abril, seguiu-se o EuroBic e agora a CGD.

Novo quadro de spreads dos dez bancos

Em suma, mais de metade dos bancos — seis num total de dez — já baixaram spreads desde o início do ano, revelando o adensar da luta entre os bancos pela captação de clientes para o crédito à habitação.

Esta situação que ocorre num contexto em que a política monetária do Banco Central Europeu assente em juros de referência que se encontram em mínimos históricos também incentiva os bancos a injetarem liquidez no mercado. E o crédito à habitação tem sido um dos principais motores desse objetivo.

Um eventual próximo marco é os spreads mínimos descerem aquém da fasquia dos 1%. “Sempre me pareceu improvável que os spreads descessem dos 1%, mas reconheço que agora pode ser atrativo para algum banco quebrar essa barreira para se diferenciar dos demais”, considera Filipe Garcia, economista e CEO da IMF.

Comentários ({{ total }})

CGD corta spread da casa para 1,23%. Passa BCP, Novo Banco e BPI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião