Este vinho do Porto é especial. Cada garrafa custa 280 euros

  • Lusa
  • 22 Abril 2019

A The Fladgate Partnership lançou a primeira de uma "série de edições limitadas" de vinho do Porto. Vinho tem 50 anos.

A empresa The Fladgate Partnership (TFP) lançou um vinho do Porto tawny de 50 anos, por 280 euros cada garrafa, selecionado entre os quase 17 milhões de litros de vinho que mantém em envelhecimento.

A empresa, focada apenas na produção de vinhos do Porto, reclama “alguma liderança” no campo dos “tawnies” muito antigos, observou o seu enólogo, David Guimarães, à margem da apresentação do Taylor’s Single Harvest 1969.

A TFP possui nos seus armazéns de Vila Nova de Gaia e do Douro quase 17 milhões de litros de vinhos a envelhecer em pipas, cascos, tonéis e balseiros e foi nessas reservas que a empresa selecionou o primeiro Colheita com meio século de idade lançado há seis anos.

O lançamento desse vinho foi o primeiro de uma “série de edições limitadas”, ao ritmo de uma por ano, de um Porto envelhecido durante 50 anos da marca Taylor’s, a eleita entre as quatro que o grupo detém (Fonseca, Croft e Krohn são as outras), devido ao seu prestígio e grande notoriedade.

David Guimaraens disse à Lusa que o objetivo é prosseguir com estas edições anuais enquanto isso for possível, sendo certo que os anos 70 não correram bem, porque foram marcados por “alguma turbulência” e isso originou “algumas interrupções”.

“Os tawnies” são os vinhos do Porto que representam a arte do envelhecimento e do provador e a paciência” para que eles adquiram as características ambicionadas antes de serem engarrafados, enfatizou ainda o mesmo enólogo, observando que o grupo TFP tem um provador destacado para cada uma das suas marcas.

O enólogo intervém antes do armazenamento e o provador toma conta do vinho daí para a frente, “ao longo da sua vida, um bocado como acontece com o ser humano, que é moldado pela sua educação, pelo ambiente em que cresce e com quem vai tomando contacto”, compara David Guimaraens

“Nos tawnies temos muitos anos para chegarmos à perfeição e colocá-los em garrafa”, resumiu, referindo que “os vinhos do Porto vintage representam muito mais a vinha e um ano”.

O longo período de envelhecimento em madeira confere ao vinho “cor âmbar, paladar sedoso e macio, sabores suaves e maduros e o nariz cheio de aromas ricos e complexo”. O administrador executivo do The Fladgate Partnership, Adrian Bridge, refere-se ao Taylor’s Single Harvest 1969 como “um digno herdeiro da arte do envelhecimento em madeira que a Taylor’s afinou ao longo dos séculos.”

As vendas de vinho do Porto nas chamadas categorias especiais, como são os vintage e os tawny com indicação de idade e colheita, crescem em valor desde 2011, ao contrário do que se verifica com os Porto correntes, e em 2018 totalizaram mais de 150 milhões de euros, segundo dados do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto.

O grupo TFP reivindica “13,4 %” do volume de vendas nesse segmento, mas “15,9%” do valor”, e do Taylor’s Single Harvest 1969 lançou oito mil garrafas, a 280 euros cada uma.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Este vinho do Porto é especial. Cada garrafa custa 280 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião