Petróleo em máximos de seis meses. Sanções dos EUA ao Irão impulsionam preços

Crude WTI negoceia acima dos 65 dólares e o brent londrino acima dos 73 dólares. Norte-americanos estarão prestes a acabar com as isenções ao embargo petrolífero ao Irão.

O petróleo negoceia a subir, em máximos de seis meses. O aumento dos preços da matéria-prima tanto em Nova Iorque como em Londres prende-se com os novos cortes na produção decididos pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e pelo anúncio dos EUA de novas sanções petrolíferas ao Irão.

O brent negociado em Londres avança 2,56% para 73,81 dólares por barril, valor que não tocava desde 31 de outubro. Já o crude WTI de Nova Iorque sobe 2,33% para 65,49 dólares, em máximos do mesmo dia.

O preço do petróleo reage, assim, em forte alta à notícia do Washington Post de que o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, irá anunciar, a 2 de maio, que o Departamento do Tesouro irá cortar as isenções às sanções petrolíferas ao Irão. O embargo à exportação de petróleo iraniano deixou de fora oito países — incluindo a China, a Índia e a Turquia –, mas esta suspensão de 180 dias estará prestes a chegar ao fim.

A decisão é parte da estratégia dos EUA de impedir o Irão de conseguir receitas com a venda de petróleo, a principal fonte de receita de Teerão, já depois de nomear a Guarda Revolucionário do Irão como uma organização terrorista.

Além das sanções, a OPEP e os restantes parceiros no acordo de cortes de produção — com o objetivo de equilibrar o mercado petrolífero e diminuir o excedente — reforçaram o pacto no final da semana passada. Já nos EUA, que estão fora deste acordo, as energéticas viram uma redução dos número de plataformas de extração reduzir-se para 825 com duas unidades não operacionais.

A conjugação de fatores está a fazer subir os preços esta segunda-feira, num dia em que o mercado petrolífero é dos principais focos já que a maior parte das bolsas continuam fechadas devido à Páscoa.

Desde final de outubro que preço do brent não estava tão elevado

Fonte: Reuters

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleo em máximos de seis meses. Sanções dos EUA ao Irão impulsionam preços

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião