Amazon quer garantir entrega de encomendas em apenas um dia

  • ECO
  • 26 Abril 2019

O CFO da gigante tecnológica disse que já foram colocados de parte 800 milhões de dólares para investir na infraestrutura que irá permitir a redução do tempo de entrega em todo o mundo.

A gigante do comércio online teve um lucro recorde de 3,56 mil milhões de dólares no primeiro trimestre do ano, muito acima do esperado, devido à subida das receitas com publicidade e da sua unidade de cloud-computing. Mas a grande novidade da apresentação de contas são os planos da empresa para reduzir de dois para um dia o prazo para entregas, que será gratuito para os subscritores do seu service Prime em todo o mundo.

“O nosso objetivo é evoluir do atual programa de dois dias de entrega gratuita para um programa de um dia”, disse ao CFO da Amazon, Brian Olsavsky, aos analistas na conferência que se seguiu ao reporte de resultados, citado pelo Financial Times (acesso pago e conteúdo em inglês). Olsavsky descreveu a oferta como “o melhor negócio no retalho”.

O responsável da empresa disse que já foram colocados de parte 800 milhões de dólares para investir na infraestrutura que irá permitir esta redução do tempo de entrega, segundo noticia o FT. O projeto estará pronto até ao final do ano, de acordo com o CFO da gigante tecnológica, que não adiantou, no entanto, quando é que o serviço estará disponível.

Alguns artigos já estão disponível para envio em apenas um dia ou até mesmo no mesmo dia, nomeadamente para membros Prime. No Reino Unido, o tempo de entrega standard é um dia. No entanto, nos EUA, que é o maior mercado da Amazon, os envios gratuitos são feitos em dois dias. “A maior parte da despesa que antecipamos [no segundo trimestre] irá começar na América do Norte, mas a intenção é que haja uma melhoria global na velocidade”, acrescentou Olsavsky.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Amazon quer garantir entrega de encomendas em apenas um dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião