Avaliação das casas está há dois anos a subir. Fixa novo recorde nos 1.247 euros por metro quadrado

A avaliação feita pelos bancos aos imóveis na hora de concederem crédito não pára de aumentar. Subiu, em março, pelo 24.º mês, atingindo um novo recorde nos 1.247 euros por metro quadrado.

O valor das casas não pára de aumentar. De acordo com a avaliação feita pelos bancos aos imóveis na hora de concederem crédito, o preço do metro quadrado subiu pelo 24.º mês, alcançando um novo recorde. Após dois anos de subida, está agora, em média, nos 1.247 euros.

Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) revelam que a avaliação bancária aumentou em oito euros face ao mês anterior. Os 1.247 euros registados em março correspondem a “um aumento de 0,6% relativamente a fevereiro e de 6,9% face ao mesmo mês do ano anterior”, diz o INE.

Esta nova subida atira o valor médio do metro quadrado para recorde, marco alcançado após dois anos consecutivos de aumento das avaliações que reflete o momento positivo vivido no mercado imobiliário nacional.

Em comparação com o período homólogo, a taxa de variação homóloga mais elevada para o conjunto das avaliações verificou-se no
Algarve (12,6%) e a menor na Região Autónoma dos Açores (1,7%). Já face a fevereiro, a maior subida para o conjunto da habitação registou-se no Centro (1,4%), e a única descida verificou-se na Região Autónoma da Madeira (-1,9%).

Perante estas variações, o índice do valor médio de avaliação bancária aponta que, em março, o Algarve, a Área Metropolitana de Lisboa, a Região Autónoma da Madeira, o Alentejo Litoral, e a Área Metropolitana do Porto apresentaram valores de avaliação superiores à média nacional (37%, 27%, 10%, 5% e 3% acima do registado para o país, respetivamente). Beira Baixa “foi a que apresentou o valor mais baixo em relação à média nacional (-30%)“.

(Notícia atualizada às 11h20 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Avaliação das casas está há dois anos a subir. Fixa novo recorde nos 1.247 euros por metro quadrado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião