CGD vai pagar 200 milhões de dividendos ao Estado. E já tem autorização de Bruxelas

A CGD registou em 2018 um resultado líquido de 496 milhões de euros. Desta verba 200 milhões de euros são para entregar ao accionista Estado, algo que não acontece desde 2010.

A Caixa Geral de Depósitos, que em 2018 atingiu um lucro de 496 milhões de euros, vai entregar ao acionista Estado um dividendo no valor de 200 milhões de euros. No relatório de contas publicado esta terça-feira no site da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários, o banco público assegura já ter obtido autorização por parte do Banco de Portugal, BCE e Direção-Geral da Concorrência Europeia.

Na proposta de aplicação de resultados, a CGD destina 200 milhões de euros para dividendos e informa que foi jáobtida a respetiva aprovação por parte das entidades de supervisão competentes, nos termos da legislação europeia e nacional em vigor“.

Uma medida que já tinha sido prevista pelo Governo no relatório que acompanha a proposta de Orçamento de Estado, com o Executivo a antecipar a entrega de dividendos por parte da CGD em 2019. Depois disso, ainda em outubro, Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado Adjunto e das Finanças, disse em entrevista ao Jornal Económico, que o Estado esperava encaixar cerca de 200 milhões de euros em dividendos já este ano.

O banco público não entregava dividendos ao acionista desde 2010. Oficialmente a distribuição de dividendos foi suspensa a partir de janeiro de 2013, na sequência do processo de recapitalização da CGD.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD vai pagar 200 milhões de dividendos ao Estado. E já tem autorização de Bruxelas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião