Concorrência desleal? Não, “afinal a SIBS é dos bancos”, diz o BPI

Pablo Forero lembra que as operações feitas através da app BPI mantêm-se grátis. Não acredita ainda que haja concorrência desleal para a SIBS.

Um problema de comunicação“, foi desta forma que Pablo Forero, CEO do BPI, classificou a alteração de preçário do banco que desde 1 de maio passou a cobrar pelas transferências MB Way que não sejam feitas através da app BPI. E não encara essa nova situação como concorrência desleal para a SIBS.

A partir da última quarta-feira, o BPI passou a cobrar 1,248 euros por cada transferência MB Way que seja feita através da app MB Way, mas mantém a gratuitidade destas operações quando realizadas através da app BPI.

“Tivemos um problema de comunicação com o MB Way”, revela Pablo Forero durante a apresentação de contas do primeiro trimestre, relativamente à introdução do novo preçário para este tipo de operações. “As transferências que faz através da aplicação do BPI são grátis e eram já grátis”, diz Forero, acrescentando que “com o tempo as pessoas vão se aperceber que não têm um problema“.

O CEO do banco lembra que no digital já têm 330 mil clientes, explicando que a proporção das que usam a aplicação do MB Way “é muito pequena”.

Forero antecipa ainda como “muito poucos” o número de clientes que acredita captar para a app BPI devido ao novo preçário para as transferências MB Way, antecipando assim não ganhar “nada” com essa mudança. “O que está por detrás é a utilização da nossa aplicação. Temos todo o interesse que os clientes usem a nossa aplicação”.

Questionado sobre uma eventual deslealdade perante a SIBS do custear das operações realizadas através da ferramenta da SIBS, Pablo Forero diz que deve ser retirado o “des”. “Afinal a SIBS é uma empresa dos bancos. Não está pensada para ser um concorrente dos bancos. Está pensada para ajudar os clientes e os bancos”, acrescentou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Concorrência desleal? Não, “afinal a SIBS é dos bancos”, diz o BPI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião