Tesouro vai ao mercado para emitir dívida a 10 e 15 anos na próxima semana

A agência liderada por Cristina Casalinho anunciou um leilão duplo de obrigações do Tesouro. O montante indicativo situa-se entre os 1.000 e os 1.250 milhões de euros.

O Tesouro vai voltar ao mercado na próxima semana para emitir dívida de longo prazo. A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP anunciou esta sexta-feira que irá realizar um leilão duplo de obrigações do Tesouro (OT) com prazo a 10 e 15 anos, na próxima quarta-feira.

“O IGCP, E.P.E. vai realizar no próximo dia 8 de maio pelas 10h30 dois leilões das OT com maturidade em 15 de junho de 2029 e 18 de abril de 2034, com um montante indicativo global entre 1.000 milhões e 1.250 milhões de euros“, anunciou em comunicado a agência.

O último leilão de dívida a 10 anos aconteceu a 10 de abril, quando o Tesouro colocou 600 milhões de euros a uma taxa de juro de 1,143% (a mais baixa de sempre nesta maturidade) e uma procura 2,28 vezes superior à oferta. Esta sexta-feira, a yield das OT desta maturidade negoceiam em mercado secundário em 1,117%, após ter tocada mínimos históricos de 1,093% na última sessão.

Já no caso dos títulos a 15 anos, o último leilão comparável foi em 13 de fevereiro. Nessa altura, o IGCP emitiu 295 milhões de euros, tendo conseguido uma taxa de juro de 2,045% e com uma procura acima da oferta em 2,29 vezes.

Portugal poderá voltar a beneficiar de uma redução das taxas pagas pela emissão de nova dívida, graças ao reforço da confiança dos investidores em Portugal e às condições externas favoráveis, em linha com o que tem acontecido nos últimos meses. A taxa de juro média paga por Portugal em novas emissões de OT, Bilhetes do Tesouro e Obrigações MTN situou-se em 1,7%, no primeiro trimestre do ano. O valor, que é o mais baixo de sempre, compara com a taxa de 1,8% registada ao longo de 2018 e representa uma forte quebra face aos 2,6% de 2017.

(Notícia atualizada às 13h20)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tesouro vai ao mercado para emitir dívida a 10 e 15 anos na próxima semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião