Rui Rio rejeita solução para os professores que “origine desequilíbrios orçamentais futuros”

Rui Rio rejeita que o PSD tenha recuado na questão dos professores por causa da ameaça de demissão do primeiro-ministro. Oposição vai mesmo votar contra o diploma dos 9A4M2D.

O presidente do PSD rejeita qualquer solução para os professores que origine “desequilíbrios orçamentais futuros”. Por isso, vai votar na sexta-feira contra o diploma que foi aprovado na especialidade. No entanto, Rui Rio rejeita que o PSD tenha recuado por causa da ameaça de demissão de António Costa: “A crise política é feita pelo primeiro-ministro. Não é feita por nós. Nós não temos crise política nenhuma”, frisou o líder da oposição, numa entrevista à TVI.

“O povo português entendeu o que lhes venderam. Acho uma coisa grave os jornalistas parlamentares não entenderem o processo legislativo”, acusou Rui Rio. O social-democrata referia-se à proposta do PSD para a inclusão de uma norma travão, que acabou por ser chumbada, e à aprovação do princípio do reconhecimento integral do tempo de serviço dos professores. Ora, como o diploma não inclui essa norma, Rui Rio garantiu que o PSD chumbará o diploma na votação final global.

Rui Rio recusou ainda que os deputados do PSD, em qualquer altura, tenham sugerido que iam votar a favor do diploma. “Eu disse sempre a mesma coisa. Informei direitinho o que queria, porque o que os deputados do PSD levaram [para a especialidade] foi uma proposta que eu pedi, justamente, para meter essa salvaguarda [da norma travão]. Estavam em sintonia com o que o partido queria”, defendeu o líder do PSD.

Sobre o facto de ter demorado dois dias a reagir à suposta crise política, Rui Rio afirmou que “demora sempre dois dias” porque “não é corredor de velocidade em competições mediáticas”. Confirmando que reuniu com personalidades do PSD no último sábado, disse ter-se tratado de uma reunião para discutir a ameaça de demissão do primeiro-ministro e não o sentido de voto do PSD na votação final global do diploma dos professores. “O diploma não tem discussão para mim, desde sempre. Nós reconhecemos os nove anos aos professores, mas tem de haver uma lei travão”, reiterou.

Contas de Mário Centeno são “fraude”

Rui Rio afirmou, ainda, que os 800 milhões de euros que o Governo diz que a recuperação integral do tempo de serviço dos professores pode custar são uma “fraude”. “800 milhões significa o que nunca aconteceria: tudo a todos, e já. Isso é o que queria fazer o BE e o PCP e nós votámos contra”, garantiu Rui Rio.

Referindo-se àquilo a que chamou de “manha do ministro das Finanças”, o líder da oposição indicou que “mesmo que fossem 800 milhões, líquido para o Estado seriam 480 [milhões], porque pagam IRS e Caixa Geral de Aposentações”. Ainda assim, Rui Rio disse ser “impossível” fazer as contas sem uma proposta fechada, porque “as combinações são quase infinitas à mesa das negociações”. Rui Rio propôs ainda uma solução em que o tempo é devolvido “uma parte em dinheiro, uma parte em redução de horário e uma parte na [antecipação da idade da] reforma”.

Há “desigualdade completa” nas carreiras especiais da Função Pública

O presidente do PSD fez referência, por fim, à “desigualdade completa” nas carreiras especiais da Função Pública, que têm “de ser revistas”.

“Temos de as rever de cima a baixo, porque há uma desigualdade completa. Um professor no fim da carreira — e poucos lá chegam — ganha 3.300 euros brutos por mês. Um juiz, quando começa a trabalhar com 20 e tal anos como juiz estagiário, ganha 3.324 euros”, afirmou Rui Rio.

Ou seja, concluiu, “um juiz com sete anos de serviço ganha o mesmo do que um professor no fim de carreira ou do que um general”. Por isso, para o PSD, “as carreiras têm de ser revistas, mas com equidade”. “Da forma como está não é justo. Se comparar com os enfermeiros, se calhar podemos considerar que os enfermeiros são mal pagos”, considerou Rui Rio.

(Notícia atualizada pela última vez às 21h30)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Rio rejeita solução para os professores que “origine desequilíbrios orçamentais futuros”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião