“É útil um surto de imigração” que traga mão de obra, diz CEO da Pousadas de Portugal

  • Lusa
  • 12 Maio 2019

Para o CEO da Pousadas de Portugal, detida pelo Grupo Pestana, a falta de recursos humanos continua a ser um problema no turismo, nomeadamente quando se "continua a aumentar a oferta". 

O presidente executivo das Pousadas de Portugal considera que seria útil “um surto de imigração” para colmatar a falta de mão-de-obra no setor, ao mesmo tempo que deixa em aberto uma eventual atualização salarial na empresa.

Em entrevista à Lusa, Luís Castanheira Lopes considerou — acompanhando a opinião do setor — que a falta de recursos humanos continua a ser um problema no turismo, nomeadamente quando se “continua a aumentar a oferta”.

“Recursos humanos continuam a ser um problema. Olhamos para as nossas cidades, como Lisboa e Porto, e vemos a quantidade de hotéis que existem neste momento em Lisboa, por exemplo, e a quantidade que existia há dez anos. Não estou a dizer que há muitos hotéis, estou a dizer que há muitos mais do que havia há dez anos. Pelo país fora têm aumentado e os recursos humanos não têm acompanhado esse crescimento“, afirmou o presidente executivo.

Penso que precisamos de imigração. É útil que haja, que volte a haver, um surto de imigração que refresque a nossa população e acrescente mão-de-obra às nossas necessidade, quer para a hotelaria, quer para as outras atividades conexas com a hotelaria porque à volta há os restaurantes, há as lojas de conveniência, há os táxis, as ourivesarias, as lojas de jornais e, neste momento, há dificuldade em alcançar pessoas para esses postos”, considerou Luís Castanheira Lopes.

Castanheira Lopes referiu ainda que há zonas em que este tipo de movimentos já veio ajudar bastante, dando como exemplo o regresso à Madeira de portugueses que estavam na Venezuela e que ingressaram no mercado de trabalho naquela ilha. “Na Madeira nota-se isso, o regresso de venezuelanos e a ingressão diretamente no mercado. É bom para os dois lados”, afirmou o presidente executivo.

Além da dificuldade na contratação de recursos humanos, problema muito comentado no setor, o presidente das Pousadas de Portugal enumera também a mudança e saída de trabalhadores até para o estrangeiro como um constrangimento à atividade.

Há um fenómeno da globalização e os recursos humanos andam de um lado para o outro. Como acontece com os jogadores de futebol também acontece com os cozinheiros ou com os chefes de receção. Mesmo que seja [a saída] a nível internacional. Às vezes somos obrigados a lutar com mercados que pagam mais do que nós. Apesar de tudo, ainda acho que na estrutura superior conseguimos ser competitivos, onde acho que há maior dificuldade é nas estruturas intermédias, aqui temos muitas vezes dificuldade em contratar pessoas, principalmente nas zonas do Algarve e na Madeira, embora nesta esteja, então, um bocadinho melhor”, explicou.

Já levado a comentar o facto da federação dos sindicatos de hotelaria (FESAHT) ter lamentado, em 22 de fevereiro, que o grupo não tivesse intenção de atualizar em 2019 os salários dos trabalhadores das Pousadas de Portugal, o CEO pede calma e deixa esse cenário em aberto.

“Nós estivemos a negociar com esse sindicato durante vários anos um novo Acordo de Empresa [AE]. O AE foi publicado em novembro de 2018 com uma nova tabela salarial e, por isso, o que dizemos é: não faz sentido que tendo entrado em vigor, em novembro, uma nova tabela salarial, no dia 1 de janeiro já se esteja a alterar essa mesma tabela salarial. Ainda não houve maturidade. Calma. Com todo o respeito, não faz sentido esta posição do sindicato, temos relações corretas. Apresentaram uma nova proposta um mês e tal depois, não faz sentido estar já a rever esse acordo”, disse.

Em fevereiro, a FESAHT apresentou ao grupo Pestana uma proposta de aumentos salariais para os trabalhadores das Pousadas de Portugal de 4%, no mínimo 40 euros, e 650 euros como valor mínimo na tabela salarial. “Vamos dar algum tempo para analisarmos essa proposta e as posições que a empresa também tenha sobre essa matéria e depois então logo se vê”, avançou agora Castanheira Lopes.

O responsável lembrou ainda que a tabela salarial antes da revisão “estava bastante acima do salário mínimo” e que “depois de uma decisão do Grupo Pestana, geral ao grupo, as categorias de baixo ainda subiram todas”. “Ninguém no Grupo recebe menos de 630 euros. Isto antes de qualquer revisão. Por isso é que achamos que não faz sentido já revê-la. Logo se verá. Foi muito cedo a proposta”, concluiu. As Pousadas de Portugal têm atualmente cerca de 700 colaboradores.

Pousadas de Portugal estudam também Marrocos com vista à internacionalização

O presidente das Pousadas de Portugal afirma que o grupo continua a “estudar com tranquilidade” mais destinos com vista à internacionalização e que, para além da análise a Moçambique, Goa e Cabo Verde, está também a olhar para Marrocos. Em entrevista à Lusa, Luís Castanheira Lopes lembrou que o plano de internacionalização a cumprir são cinco pousadas e que já estão escolhidas três localizações: Salvador da Baía, no Brasil, Montevideu, no Uruguai, e uma terceira em S. Tomé e Príncipe.

“Temos, neste momento, uma pousada feita [Convento do Carmo, em Salvador da Baía], duas localizações escolhidas, uma em Ilhéu das Rolas, em São Tomé, e para esta já há edificação”, lembrou, acrescentando que neste último destino o grupo, que já tinha ali um hotel, vai começar a adaptar a antiga roça de Porto Alegre a pousada ainda este. Escolhido, também, já estava o edifício em Montevideu e o responsável acredita que “durante este ano” poderá começar a obra.

“As outras duas [futuras pousadas] ainda andamos à procura. Posso dizer que já visitei coisas em Moçambique e em Cabo Verde. Não há nenhuma decisão, mas andamos a ver nesses países”, afirmou. Já quando questionado se a decisão iria ficar por estes destinos, sublinhou que “podem ser outros”. “Pode ser Goa, pode ser Marrocos, são destinos para os quais estamos também a estudar, mas com menos intensidade ainda. Estamos a estudar todas as hipóteses ao mesmo tempo. Com tranquilidade porque temos até 2023”, reforçou o responsável.

Questionado se este plano de internacionalização ‘casa’ de alguma forma com os planos do Governo para o Programa Revive internacional, disse que, “de certo ponto, sim”. “Quando começámos à procura em Moçambique — só a ver ainda — não sabia que estava a decorrer já uma conversação entre Moçambique e o Governo de Portugal para aplicarem o conceito do Revive lá. É claro que acho uma ótima ideia e acabamos por nos enquadrar no âmbito do Revive, pois estamos a recuperar património de matriz portuguesa. Os objetivos da internacionalização das pousadas e do Revive são comuns, mas são de duas entidades autónomas, nos quais cada um está a tratar da sua vida, mas cujos objetivos efetivamente são comuns”, explicou.

Em Portugal, “até ao final do primeiro semestre” deverá ser inaugurada mais uma ampliação da Pousada da Vila, em Óbidos — ao agregar-lhe a Casa Lidador — e a Pousada Pestana Churchill Bay, na Madeira. Para o “primeiro semestre de 2020” entrará a Pousada das Flores, no Porto, e a Pousada de Vila Real de Santo António. “Neste momento estão ambas em fase madura de obra”, afirma Castanheira Lopes.

Confrontado se atualmente já é menos moroso avançar com estes projetos, o presidente das Pousadas de Portugal reconhece que “o Governo, por exemplo, fez um esforço de diminuir a burocracia”, acabando, designadamente, “com o parecer obrigatório do Turismo de Portugal, desde há cerca de dois anos”, mas que, tendo em conta que muitas vezes estes pareceres continuam a ser pedidos pelas câmaras, “ficou-se na mesma, apesar da intenção ser boa”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“É útil um surto de imigração” que traga mão de obra, diz CEO da Pousadas de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião