Empresas portuguesas estão na linha da frente na transformação digital, diz estudo da OutSystems

A transformação digital é uma das apostas das empresas portuguesas, nomeadamente através do desenvolvimento de aplicações, aponta um estudo da OutSystems.

A evolução da tecnologia trouxe a necessidade de adaptar a maneira de fazer as coisas, desde os procedimentos mais simples até outros mais complexos. As empresas portuguesas não querem ficar para trás e têm acompanhado a transformação digital, por exemplo ao aumentar as equipas de desenvolvimento de software.

Entre várias organizações no mundo, as empresas portuguesas encontram-se acima da média nesta transformação, conclui o relatório anual “The State of Application Development 2019”, elaborado pelo unicórnio português OutSystems. A média de maturidade das organizações nacionais neste segmento é a mais alta a nível regional e global.

Para Steve Rotter, CMO da OutSystems, “a ameaça da disrupção digital e a necessidade de uma transformação digital têm sido fatores determinantes nas estratégias de tecnologias de informação há anos”, aponta, citado em comunicado. “Se juntarmos isto à incerteza que caracteriza o panorama económico global, torna-se óbvio porque é que os líderes empresariais estão tão preocupados com o fator da agilidade”, completa.

Mais talento, mais aplicações

As equipas de desenvolvimento de aplicações cresceram em mais de metade das empresas nacionais, sendo esta uma área que tem merecido destaque. Esta proporção de organizações interessadas em contratar mais profissionais no campo é superior em 15% à média mundial.

A utilização do software de low-code, que é o foco do trabalho da OutSystems, para desenvolver aplicações tem vindo a ganhar terreno nas empresas, revela o relatório. Em Portugal, 63% dos inquiridos disseram já ter aderido a este tipo de tecnologia.

Com as equipas reforçadas, os profissionais portugueses entrevistados neste estudo têm em vista desenvolver e disponibilizar 60% mais aplicações do que no ano passado e quase 40% quer lançar mais de 25 aplicações. As empresas nacionais mostram-se assim mais rápidas a desenvolver as aplicações, comparativamente com a média global.

Mas encontrar e reter talento nesta área afigura-se um desafio. Só 15% das empresas inquiridas caracterizam o recrutamento como fácil, sendo que várias o descreveram como difícil ou muito difícil. Tendo em conta estas dificuldades, “cada vez mais organizações tendem a apostar no outsourcing para o seu desenvolvimento de aplicações”, aponta o relatório.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas portuguesas estão na linha da frente na transformação digital, diz estudo da OutSystems

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião