Europeias: São 10,7 milhões os portugueses chamados às urnas

  • Lusa
  • 14 Maio 2019

O número de recenseados para votar nas eleições do Parlamento Europeu aumentou, assim como o número de eleitores residentes no estrangeiro.

Cerca de 10,7 milhões de eleitores podem votar nas eleições para o Parlamento Europeu (PE) que têm lugar em Portugal no próximo dia 26, de acordo com os últimos dados do recenseamento eleitoral.

Os eleitores com capacidade eleitoral ativa são no total 10.761.156, quando nas anteriores eleições para o PE, em maio de 2014, eram 9.696.481. O número de eleitores residentes no estrangeiro passou de menos de 300 mil nas eleições de 2014 para 1.431.825, resultado do processo de recenseamento automático, explicou na semana passada o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

Deste total de cerca 1,4 milhões, 583.680 são residentes fora da Europa e 848.145 estão inscritos como residentes na Europa, segundo os dados publicados no site da Secretaria Geral da Administração Interna. Estão também registados 10.751 cidadãos de outros países da União Europeia (UE), o que também constitui um aumento em relação aos 8.981 inscritos para as anteriores eleições. Faro é o distrito com mais estrangeiros registados (4.841).

Os distritos de Faro, de Lisboa, do Porto e de Setúbal são os únicos do continente onde se regista um aumento do número de eleitores, no caso do Porto, um aumento mais pequeno. Em todos os outros distritos, o número é inferior ao das eleições europeias de 2014.

No território continental, Portalegre é o distrito com menos eleitores (96.529) e Lisboa o que concentra maior número (1.916.395). Na região autónoma da Madeira, estão registados 257.491 eleitores, 250 dos quais de países da UE. Nos Açores, há 229.035, incluindo 166 de países da UE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Europeias: São 10,7 milhões os portugueses chamados às urnas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião