Rangel critica Pedro Marques e diz que socialista tem “direito à irritação”

  • Lusa
  • 14 Maio 2019

O cabeça de lista social-democrata diz-se satisfeito com a sua campanha, que considera "dinâmico". Sobre o adversário do PS, diz que tem "o direito à irritação".

O cabeça de lista social-democrata às europeias, Paulo Rangel, sustentou esta segunda-feira que a campanha do PSD “está picadinha” e “dinâmica” e reiterou que o adversário socialista preferiu “espaços fechados” e tem agora “o direito à irritação”.

No primeiro dia oficial da campanha eleitoral às europeias, Paulo Rangel dedicou o dia ao tema da defesa do ambiente e do combate às alterações climáticas, manifestando-se satisfeito com a “dinâmica” da sua campanha e criticando o adversário do PS. “Eu diria que nós estamos de facto numa campanha picadinha, já está lançada” e “francamente dinâmica”, afirmou Paulo Rangel, questionado sobre se a sua campanha está “flat”, termo usado por um dos surfistas com quem conversou à chegada à praia da Cortegaça, em Ovar.

Para Paulo Rangel, “as pessoas estão a começar a despertar para as eleições europeias”, que se realizam a 26 de maio. O candidato esteve na praia da Cortegaça, Ovar, que enfrenta a erosão do areal e regista um recuo da linha costeira, requerendo intervenções profundas para travar o avanço do mar e manter as características marítimas que têm permitido o desenvolvimento do turismo, especialmente de surfistas que se instalaram na região.

Questionado sobre as declarações do seu adversário do PS, Pedro Marques, que o acusou de falta de “empatia” na campanha, Paulo Rangel respondeu que “todo o ser humano tem direito à irritação e Pedro Marques também”. “É evidente que o PS decidiu fazer uma campanha que não está na rua, é uma campanha de espaços fechados, são opções. Agora o que não pode ter é chuva no nabal e sol na eira”, considerou.

O cabeça de lista do PS, Pedro Marques, negou esta segunda-feira que esteja a “fugir à rua”, como tinha afirmado no dia anterior Paulo Rangel, e acusou o seu adversário social-democrata de “ter um problema com a verdade” e de “falta de empatia”.

Paulo Rangel e a segunda candidata na lista, Lídia Pereira, caminharam na areia até a um dos molhes para observar a erosão do local e ouvir da parte do presidente da câmara, Salvador Malheiro, o projeto que a autarquia espera que possa avançar. “Há um problema muito sério com a erosão costeira na faixa que vai de Espinho a Ovar e até Vagos, onde tem havido um recuo enorme das praias e em alguns casos põe em causa a linha de costa”, sublinhou Rangel.

“Tem havido uma recusa sistemática em lidar com o problema, há formas de colocar areia em quantidades de forma significativa, mas depois para a conservar seria preciso termos aqui a construção de quebra-mares paralelos (à linha de costa) que tem de ser feita com muito cuidado”, disse.

Segundo Salvador Malheiro, a autarquia aguarda uma resposta por parte do Ministério do Ambiente para avançar com o projeto para o qual a câmara se disponibiliza a comparticipar com metade dos 15% do financiamento que faltam, “apesar de não ser da sua competência legal”.

No primeiro dia oficial de campanha, e no segundo dia com ações de rua sob altas temperaturas, Rangel contactou ainda com surfistas que se instalaram nos últimos anos em Ovar e “mudaram a economia local”, constituindo um novo “nicho absolutamente colossal” da “economia azul” que “mudou a vida” do comércio e da vida local.

Antes, Paulo Rangel visitou a BioRia, em Estarreja, centro de interpretação ambiental do Baixo Vouga, financiada por fundos comunitários e dedicada ao estudo e monitorização dos habitats naturais de aves marinhas e outra fauna local, que recebe todos os anos milhares de turistas para observação de aves e para percursos na natureza a pé ou de bicicleta, que também experimentou.

“Faz parte das prioridades do PSD o combate às alterações climáticas, com a redução das emissões de carbono em particular. Estou de acordo que a agenda de Paris já se manifesta insuficiente”, admitiu, frisando que “apesar de tudo a Europa continua a comandar esta agenda”.

“Os dados que a ONU veio trazer apontam para que as nossas metas mais ambiciosas são apesar de tudo insatisfatórias para a evolução que está a ocorrer”, disse, após questionado sobre os alertas do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que advertiu que o combate político às alterações climáticas está a enfraquecer.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Rangel critica Pedro Marques e diz que socialista tem “direito à irritação”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião