VdA, Morais Leitão e CS Associados na assessoria à Porsche Holding e à SAG

A VdA está na assessoria à Porsche Holding na compra da SAG, que é assessorada pela CS Associados. Já a Morais Leitão assessora os bancos BCP, BPI, Novo Banco e CGD na sua operação de reestruturação.

A VdA assessorou, em conjunto com a Freshfields Bruckhaus Deringer, da Áustria, a Porsche Holding no processo de aquisição do negócio automóvel da SAGatravés da aquisição das suas subsidiárias SIVA e Soauto –, numa operação que deverá estar concluída no último trimestre de 2019. Por seu lado, a SIVA e a SAG têm sido assessoradas pelo escritório Campos Ferreira, Sá Carneiro & Associados.

A SAG é um dos maiores grupos nacionais no ramo da distribuição automóvel a operar em Portugal, sendo a representante de grande parte das marcas do grupo Volkswagen.

A SIVA, empresa de João Pereira Coutinho que emprega 650 trabalhadores e que em Portugal é a concessionária responsável pela importação e comercialização de marcas como a Volkswagen, Audi, Bentley, Lamborghini e Skoda, foi comprada por 1 euro pelos alemães da Porsche Holding, o maior retalhista europeu no setor automóvel.

A SIVA e a SAG submeteram-se ainda a um processo especial de revitalização no fim de abril para obterem a homologação judicial dos acordos extrajudiciais de recuperação, assinados por estas empresas, a Porsche e pelos bancos BCP, BPI, Novo Banco e CGD. Nesta operação, os bancos estão a ser juridicamente assessorados pela Morais Leitão.

Do lado da VdA, a transação está a ser liderada pelo sócio Paulo Trindade Costa, de M&A. Fazem ainda parte da equipa os associados Maria Leonor Piconez e Francisco Vasconcelos Pimentel (M&A), Teresa Pitôrra e Catarina Cunha (contencioso e arbitragem) Francisco Sousa Coutinho (imobiliário), Américo Oliveira Fragoso (laboral) Orlando Vogler Guiné (bancário e financeiro) e o sócio José Pedro Fazenda Martins (mercado de capitais).

Da Morais Leitão, a assessoria aos bancos tem estado a ser liderada por Filipe Lowndes Marques e Pedro Gorjão Henriques e conta coom os advogados Nuno Gundar da Cruz, Margarida Torres Gama e Elmano Sousa Costa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

VdA, Morais Leitão e CS Associados na assessoria à Porsche Holding e à SAG

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião