Water City, em Almada, é o maior projeto desde a Expo98. Concurso público arranca em junho

Avaliado em cerca de dois mil milhões de euros, o projeto Water City, em Almada, vai ser colocado no mercado até ao final de junho. Final de setembro é o prazo limite para apresentação de propostas.

Arranca até ao final de junho o concurso público para a construção do projeto Water City, ou Cidade da Água, em Almada, tal como o ECO já tinha noticiado. Avaliado em cerca de dois mil milhões de euros, o projeto é da responsabilidade da Baía do Tejo, propriedade da Parpública. São 664 mil metros quadrados de área bruta, nos quais serão construídos entre outros, edifícios de habitação, escritórios, um hotel e uma marina.

É um dos projetos mais importantes do nosso país depois da Expo 98, por ser um projeto de usos mistos. Vamos dar este passo numa fase ainda pré-concursal para apresentar aquelas que serão as conduções em que o processo vai ser desenvolvido”, disse esta terça-feira Sérgio Saraiva, administrador da Baía do Tejo, durante a apresentação do projeto, afirmando que “no primeiro semestre o ativo será colocado no mercado”.

Apresentação do Water City nas antigos estaleiros da Lisnave em Almada - 14MAI19

O projeto está inserido no Plano de Urbanização Almada Nascente (PUAN) e está pensado para ser construído nas localizações da antiga Lisnave — Estaleiros Navais de Lisboa.

O Water City está distribuído por três parcelas de terreno: uma com 402.519 metros quadrados, correspondente à área do antigo estaleiro, outra com 57.746 metros quadrados onde está atualmente um centro de empresas e uma terceira parcela com 4.300 metros quadrados. A estas áreas somar-se-á ainda a marina com 37.773 metros quadrados e o terminal de cruzeiros com 72.959 mil, mas estes serão explorados pelo investidor em regime de concessão. Ao todo serão 575.297 metros quadrados “e são estes ativos que vão ser colocados no mercado”, detalhou o administrador.

De toda a área bruta de construção, que totaliza cerca de 630 mil metros quadrados, cerca de 381 mil metros quadrados (60%) será destinada a usos mistos, na qual o promotor terá o direito de decidir o que construir, enquanto 177 mil será para serviços, lê-se na descrição do projeto. Somam-se ainda cerca de 31 mil metros quadrados para residencial, 29 mil para espaços de cultura e dez mil para usos fluviais — terminal fluvial, marina, retalho e restaurantes.

O projeto tem sido nos últimos anos apresentado a investidores nacionais e internacionais e, até ao final de junho, será lançado o concurso público, garantiu Sérgio Saraiva. Durante o mês de julho a Baía do Tejo vai estar disponível para esclarecer quaisquer dúvidas aos interessados e, até ao final de setembro, irá receber as propostas. Segue-se a avaliação das mesmas em outubro e, em novembro, terá lugar a audiência prévia e decisão de adjudicação.

Questionada sobre o valor do investimento previsto, a Baía do Tejo diz não ser possível adiantar o valor, contudo, fontes do mercado imobiliário referiram ao ECO que se estima um investimento de 1,2 mil milhões a 1,5 mil milhões de euros, mas que pode chegar aos dois mil milhões de euros.

Veja aqui como está e como vai ficar o projeto

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Water City, em Almada, é o maior projeto desde a Expo98. Concurso público arranca em junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião