Tempo de espera para consultas e cirurgias deverá agravar-se, diz APAH

  • ECO
  • 16 Maio 2019

“A expectativa é que os tempos se deteriorem”, afirma o presidente da Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares. A redução do horário de trabalho e as greves são apontadas como razões.

O presidente da Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares (APAH), Alexandre Lourenço, admite que os tempos de espera para cirurgias e consultas se tenha deteriorado nos finais de 2018, sendo mesmo piores que os resultados já demonstrados pelo relatório da Entidade Reguladora da Saúde (ERS), que diz respeito aos primeiros cinco meses do último ano.

“Pelo menos em relação a 2017, a expectativa é que os tempos se deteriorem por todos estes efeitos no Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, diz Alexandre Lourenço, em entrevista à Rádio Renascença (acesso livre). O presidente da APAH aponta a redução do horário de trabalho de 40 horas para 35 horas nos contratos individuais de trabalho e a greve que marcou o final do ano — e que terá cancelado entre sete mil e oito mil cirurgias — como justificações para o pessimismo.

Recuperar os tempos de espera é, para Alexandre Lourenço, “uma questão bastante difícil”. “Os tempos de espera só serão recuperados quando as instituições tiverem autonomia para gerir as suas próprias organizações”, diz, acrescentando que isso implica um maior investimento no setor e, também, uma melhor política de gestão recursos humanos.

Já quanto à recuperação das cirurgias que foram adiadas devido às greves dos enfermeiros, o presidente da APAH alerta que “qualquer recuperação de listas e de doentes, que viram as suas cirurgias adiadas, vai levar ao cancelamento de outras que podiam estar a ser realizadas”. Isto porque as estruturas “não têm flexibilidade para dar resposta a todo o volume de doentes que temos no sistema”, continua.

Questionado sobre a discussão política à volta da saúde, Alexandre Lourenço confessa que, ultimamente, “não tem tido efeitos positivos”. O responsável pela APAH fala de um “enorme ruído” que tem levado à “desconfiança” dos portugueses em relação ao Serviço Nacional de Saúde (SNS). “Esse ruído reduz-se, claramente, com maior investimento no setor e, devo dizer, também com um novo modelo de governação do setor”, afirma.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tempo de espera para consultas e cirurgias deverá agravar-se, diz APAH

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião