AICEP defende aposta no comércio eletrónico para aumento das exportações

  • Lusa
  • 17 Maio 2019

Para atingir o objetivo de alcançar o peso de 50% das exportações na próxima década, estas terão que aumentar “entre 2% e 2,5% acima do crescimento da economia”.

O presidente da AICEP destacou esta sexta-feira a importância de uma aposta no comércio eletrónico de forma a manter as exportações na rota de crescimento para atingir o peso de 50% do PIB entre 2020-25.

Segundo Luís Castro Henriques, os grandes objetivos do plano estratégico da AICEP passam por “exportar mais, investir mais, digitalizar para o futuro e valorizar a marca Portugal”, reforçando a proximidade e apoio às empresas, em particular às Pequenas e Médias Empresas (PME).

A aposta no ‘e-commerce’ (comércio eletrónico), de acordo com Luís Castro Henriques, irá promover o crescimento “do ecossistema orientado para o mercado internacional”. O responsável falava durante a conferência “Exportações & Investimento” que decorre hoje na Nova School of Business and Economics, em Carcavelos, no concelho de Cascais.

Na mesma linha, e na abertura da sessão, o secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, referiu que para atingir o objetivo de alcançar o peso de 50% das exportações na próxima década, estas terão que aumentar “entre 2% e 2,5% acima do crescimento da economia”.

Segundo o secretário de Estado, o país precisa também de capital transformador externo, “para aumentar a produtividade e o valor dos bens transacionáveis que oferece ao mundo”.

Durante a sua intervenção, Luís Castro Henriques destacou o impacto na economia portuguesa das empresas apoiadas pelo AICEP, sinalizando que “mais de 10% do emprego criado em Portugal entre 2012 e 2016 foi por empresas apoiadas pela AICEP”.

Também segundo o responsável, as empresas apoiadas pela AICEP foram responsáveis por 46% do aumento da exportação de bens entre 2007 e 2017.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AICEP defende aposta no comércio eletrónico para aumento das exportações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião