Governo quer garantir que preços dos combustíveis deixam de ser fixados num único dia

Pedro Nuno Santos anunciou à saída da reunião com motoristas e empresas de transporte que vai trabalhar para garantir que preço dos combustíveis não é fixado num só dia da semana. Sobrecarrega setor.

O Ministro das Infraestruturas e Habitação vai procurar reunir com as petrolíferas e revendedoras de combustíveis para garantir que os preços dos combustíveis em Portugal deixem de ser fixados apenas uma vez por semana e sempre no mesmo dia. Segundo Pedro Nuno Santos, esta é uma reivindicação tanto dos motoristas de matérias perigosas como das empresas, já que o hábito de fixar os preços dos combustíveis à segunda-feira cria um excesso de concentração de trabalho nessa altura.

“Não depende do Governo. O que o Governo vai tentar fazer é garantir que o preço não seja fixado num só dia, tem consequência no trabalho das empresas, que precisam de concentrar grande parte do seu trabalho em determinados dias. Terá de se ver junto das distribuidoras de combustível”, avançou. E apesar de reconhecer que não tem tutela sobre a matéria, o ministro aponta que esta “é uma questão onde poderemos usar a nossa capacidade de influência”.

O Governo vai assim procurar reunir com as distribuidoras para tentar que estas deixem de fixar o preço a um dia específico da semana, o que normalmente acontece às segundas-feiras, ainda que as alterações sejam habitualmente conhecidas com dois dias de antecedência.

“Greve não deixou de acontecer por sorte, foi com trabalho”

Pedro Nuno Santos falava aos jornalistas no final da reunião entre a Antram e a Fectrans e depois de ter também conseguido fechar um acordo entre aquela estrutura patronal e o sindicato dos motoristas de matérias perigosas, acordo este que levou ao levantamento da greve prevista para 23 de maio.

“Foram acordos muito importantes a que os dois sindicatos mais representativos do setor (SNMMP e Fectrans) chegaram com a Antram”, disse o ministro, elogiando de seguida tanto a postura dos sindicatos — “grande cooperação e abertura” — e da Antram — “as empresas estão a fazer um grande esforço para assegurarem o clima de paz social”. Mas os elogios também se dirigiram para a sua própria casa.

“A grave não deixou de acontecer por sorte, foi com trabalho”, explicou sobre a mediação do Governo a estes acordos. “Foi feito um trabalho importante e isso vai proporcionar que as eleições europeias decorram sem o clima de tensão que poderíamos vir a ter caso a grave não fosse desconvocada”, explicou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer garantir que preços dos combustíveis deixam de ser fixados num único dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião