Investigação à Caixa já tem duas magistradas a trabalhar em exclusivo

  • ECO
  • 18 Maio 2019

O caso foi aberto no Departamento de Investigação e Ação de Lisboa, onde esteve parado durante alguns meses devido à falta de meios humanos na PJ, apurou o Público.

Duas procuradoras do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) já estão a trabalhar em exclusivo na investigação à concessão de créditos ruinosos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD), segundo noticia este sábado o Público (link indisponível).

O caso foi aberto em setembro de 2016 no Departamento de Investigação e Ação de Lisboa, onde esteve parado durante alguns meses devido à falta de meios humanos na Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da Polícia Judiciária, apurou o diário.

Transitou entretanto para o DCIAP e é aqui que estão duas magistradas a trabalhar diretamente na investigação. Inês Bonina é uma das procuradoras a trabalhar no caso, de acordo com o Público. A magistrada tinha já sido responsável pela investigação que acabou numa acusação por corrupção contra o ex-vice-presidente de Angola, Manuel Vicente.

A investigação em curso diz respeito a potenciais crimes de gestão danosa. No entanto, nalguns casos poderão até já ter prescrito como é o caso do primeiro empréstimo ao empresário madeirense Joe Berardo, que foi concedido em 2006. Como este crime é punido com pena de prisão até cinco anos, o período de prescrição é de 10 anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investigação à Caixa já tem duas magistradas a trabalhar em exclusivo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião