Jovens atraídos para investimento no mercado não regulado de moeda

  • ECO
  • 19 Maio 2019

Competições em universidades e a facilidade de acesso através de aplicações aguçam o interesse. A volatilidade e a possibilidade de investir de forma alavancada aumentam os riscos.

Jovens universitários estão a ganhar interesse pelo investimento no mercado cambial não regulamentado. Incentivados por bancos e corretoras, a perspetiva de ganhos fáceis atrai. No entanto, a falta de regulação pode levar a perdas e a esquemas em pirâmide, segundo noticia este domingo o Público (acesso pago).

Bancos e corretoras realizam formações e competições em universidades e acabam por incentivar ainda mais os jovens para um mercado que está aberto cinco dias por semana e que é de fácil acesso. “É uma óptica de daily trading [transações diárias] que anima mais os jovens, é mais frenético”, afirmou Nuno Machado, estudante da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, ao Público, apontando para as “grandes subidas ou grandes descidas em curtos espaços de tempo”.

Machado, de 20 anos, pertence ao FEP Finance Club, que organizou recentemente o torneio Trading Cup, que foi organizado em parceria com o Banco Carregosa. Também o Banco de Investimento Global (BiG) e Montepio oferecem a investidores de retalho a possibilidade de negociar forex. Nalguns casos, podem mesmo recorrer a empréstimos para investir de forma alavancada, o que aumenta o risco num mercado de grande volatilidade.

Vítor Ramos, diretor adjunto do Montepio, concorda que há um interesse crescente entre os jovens, mas vê riscos, especialmente nos créditos: “a alavancagem pode proporcionar acontecimentos pós-decisão de investimento contrários às pretensões do investidor”, avisa. “Pode-se ganhar muito dinheiro, como também pode perdê-lo todo”.

Fora dos bancos e corretoras registados junto dos supervisores, há ainda plataformas online que poderão abrir a porta a possíveis fraudes. A YCBM – You Can Be More (“Tu Podes Ser Mais”, em português), que o Observador (acesso condicionado) já tinha noticiado como sendo um esquema em pirâmide, apresenta-se apenas como um grupo de jovens que propõe “uma solução diferente” para a “liberdade financeira”. Promete investimento no mercado cambial através do pagamento de uma mensalidade, mas dá prémios a quem trouxer novos participantes.

“Nos mercados financeiros não há promessas. Rentabilidades passadas não justificam rentabilidades futuras. Vale o que vale”, alerta Carla Maia Santos, Sales Team Leader da corretora XTB Online Trading.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jovens atraídos para investimento no mercado não regulado de moeda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião