Governo está “confiante” nas suas próprias projecções económicas, diz Siza Vieira

  • Lusa
  • 21 Maio 2019

No dia em que a OCDE corta a previsão de crescimento económico e piora a projeção para o défice, o ministro Adjunto e da Economia mostra-se confiante nas contas do Executivo.

O ministro da Economia desvalorizou esta terça-feira os números da OCDE que reveem em baixa o crescimento de Portugal e diz estar confiante nas projeções do Governo, considerando que iniciativas para promoção externa do país reforçam caminho do crescimento económico.

“O Governo tem as suas próprias projeções e está confiante nelas. Recordo que no primeiro trimestre deste ano, várias instituições diziam que, se calhar, a economia não estava a crescer tanto quanto era possível e aquilo que verificámos é que a economia portuguesa acelerou o crescimento relativamente ao ano anterior, portanto estamos no bom caminho”, assegurou hoje Pedro Siza Vieira, ministro Adjunto e da Economia, em declarações à Agência Lusa.

O ministro português está hoje e quarta-feira em Paris para participar na reunião ministerial da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e reagiu aos números divulgados esta manhã por esta organização que apontam um crescimento da economia portuguesa de 1,8%, um número abaixo das previsões do Governo, assim como um agravamento da previsão do défice para 0,5%.

“O Governo tem muito claro o que é o seu programa e o seu plano. É necessário que consiga assegurar estabilidade das contas públicas, é necessário continuar a assegurar uma trajetória de redução da dívida pública, ao mesmo tempo que investimos nos serviços públicos e recuperamos os níveis de investimento público que desejamos”, disse ainda o governante.

Pedro Siza Vieira aproveitou a deslocação a Paris para visitar os armazéns BHV, onde Portugal tem um lugar de destaque até dia 25 de junho como país convidado, garantindo que iniciativas como esta servem para “posicionar os produtos e a imagem de Portugal”, contribuindo para o aumento das exportações.

“O crescimento da economia tem que ser continuar a apostar na promoção externa que permita às nossas exportações crescerem como até agora acima das economias que nos compram bens. E, por isso, é muito importante conseguirmos posicionar os produtos e a imagem de Portugal junto de consumidores externos que podem estar, a partir dai, mais disponíveis para comprar as nossas coisas”, afirmou o ministro, lembrando que mesmo que França já seja um mercado “com um belíssimo posicionamento” para o turismo, há ainda muito a fazer do lado das exportações.

Um dos fatores que faz também crescer as exportações, segundo o ministro, é a grande comunidade portuguesa no país. “Uma das grandes riquezas do nosso país é a força das nossas comunidades no exterior […]. Para além das remessas, são também grandes canais das nossas exportações, não só porque consomem produtos portugueses, mas também porque temos muito empresários que são divulgadores desse produtos nos lugares em que se encontram”, afirmou o ministro.

Tendo isto em conta, o Governo prepara o primeiro congresso mundial da Diáspora Portuguesa, que decorrerá em 13 e 14 de julho, no Porto, e que, segundo o ministro, “permitrá reforçar as relações entre Portugal e as comunidades”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo está “confiante” nas suas próprias projecções económicas, diz Siza Vieira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião