Renault vai “estudar com interesse” proposta de fusão com Fiat Chrysler

  • Lusa
  • 27 Maio 2019

Administração da Renault reuniu-se para avaliar a proposta da FCA. "Informações adicionais serão dadas no momento oportuno para informar o mercado do resultado das discussões", disse a empresa.

O Conselho de Administração da Renault disse esta segunda-feira que vai “estudar com interesse a oportunidade” da proposta de fusão feita polo grupo ítalo-americano Fiat Chrysler Automobiles (FCA).

Depois da análise dos termos da proposta amigável da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), o Conselho de Administração da Renault decidiu estudar com interesse a oportunidade de tal fusão, reforçando o aparelho industrial do Grupo Renault e a geração de valor adicional para a Aliança”, com Nissan e Mitsubishi, refere em comunicado o grupo Renault.

O Conselho de Administração da Renault reuniu-se esta segunda-feira para examinar a proposta feita pela FCA, segundo o mesmo comunicado, no qual o grupo refere que “informações adicionais serão dadas no momento oportuno para informar o mercado do resultado destas discussões”.

A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) propôs um plano de fusão com a empresa francesa Renault, para criar o terceiro maior grupo global do setor. De acordo com a proposta feita pela FCA e divulgada pela Renault, o novo grupo seria detido em 50% pelos acionistas da fabricante ítalo-americana e em 50% pelos da Renault.

O vice-primeiro ministro italiano, Matteo Salvini, líder da Liga (extrema direita), que alcançou uma grande vitória nas eleições europeias, afirmou que uma possível fusão entre a Fiat Chrysler (FCA) e a Renault seria “uma operação brilhante”. “Se a Fiat cresce é uma boa notícia. Eu penso que é uma operação brilhante que protege empregos no nosso país e leva ao nascimento de um gigante automóvel europeu”, disse Salvini numa conferência de imprensa na Itália.

A proposta da Fiat Chrysler Automobiles prevê ainda que o grupo seja cotado nas bolsas de Paris, Nova Iorque e Milão. A Fiat Chrysler explicou que a fusão irá criar o terceiro maior fabricante automóvel do mundo com vendas anuais de 8,7 milhões de veículos e uma “forte presença em regiões e segmentos importantes”.

O portfólio de marcas dos dois grupos, amplo e complementar, permitiria cobrir a totalidade do mercado, desde do luxo ao segmento de consumo. A Fiat Chrysler disse também que não haverá qualquer encerramento de fábricas de produção com a fusão entre os dois gigantes automóveis mundiais. O Conselho de Administração do novo grupo seria composto principalmente por membros independentes, salientou a fabricante ítalo-americana.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Renault vai “estudar com interesse” proposta de fusão com Fiat Chrysler

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião