Secretário de Estado destaca crescimento das remessas dos emigrantes desde 2015

  • Lusa
  • 27 Maio 2019

As remessas dos emigrantes portugueses têm vindo a subir "ininterruptamente" nos últimos quatro anos. Quem o garante é o secretário de Estado das Comunidades.

O secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, reafirmou esta segunda-feira, no Funchal, que as remessas dos emigrantes portugueses têm vindo a crescer “ininterruptamente” desde 2015, tendo ultrapassado os 3.540 milhões de euros em 2018.

“Contabilizámos mais de 3.540 milhões de euros de recursos financeiros enviados pelos emigrantes, vencendo inclusivamente a crise que se abateu sobre o sistema financeiro e sobre as entidades bancárias no nosso país”, disse o governante, durante a apresentação do II Encontro Intercalar de Investidores da Diáspora, que decorrerá na Madeira, de 24 a 26 de julho.

José Luís Carneiro sublinhou também que os países onde mais cresce o investimento português e para onde mais se internacionalizam as empresas nacionais são aqueles onde as diásporas são maiores, ao passo que 25% do turismo para Portugal é oriundo dessas regiões. “Estes encontros constituem-se como uma homenagem aos portugueses da diáspora”, afirmou, realçando que o número de emigrantes e lusodescendentes espalhado pelo mundo é atualmente de 5,7 milhões.

Durante apresentação do II Encontro Intercalar de Investidores da Diáspora, o vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, também destacou a importância dos investidores oriundos da diáspora, nomeadamente da Venezuela, África do Sul, Reino Unido e Austrália. “Hoje em dia, o nosso emigrante já não olha com saudosismo para a sua terra como sendo apenas a terra onde nasceu. Olha para a sua terra como um ponto de interesse para investimento, para a criação de postos de trabalho e para rentabilizar as suas poupanças”, disse.

O governante indicou que as áreas preferenciais de investimento são a agricultura, as pescas, a construção civil, o turismo e o imobiliário e sublinhou as vantagens fiscais proporcionadas pelo Centro Internacional de Negócios da Madeira e pelas políticas de redução de impostos.

“A nossa taxa de desemprego é a mais baixa do espaço nacional – 7%”, disse Pedro Calado, adiantando, no entanto, que o número poderia ser mais baixo se não estivessem inscritos cerca de 1.000 emigrantes regressados da Venezuela nos últimos anos devido à crise económica e social que afeta o país. “Mas nós não estamos preocupados com estatísticas, desde que tenhamos boas condições para oferecer às pessoas”, afirmou.

O lema do Encontro Intercalar de Investidores da Diáspora é “dar a conhecer para investir”, disponibilizando toda a informação e contactos para potenciais interesses de investimento em contexto propício ao networking. Os potenciais investidores e empreendedores podem, também, inteirar-se dos diferentes programas de incentivos disponíveis ao nível do investimento e da internacionalização de empresas.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Secretário de Estado destaca crescimento das remessas dos emigrantes desde 2015

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião