Fisco vai recorrer da devolução de imposto sobre carros usados importados

  • ECO
  • 27 Maio 2019

A Autoridade Tributária foi condenada a devolver parte do ISV a um contribuinte que importou um automóvel da Alemanha. O Governo quer recorrer da decisão.

O Fisco foi condenado a devolver a um contribuinte parte do Imposto sobre Veículos (ISV) que foi cobrado na importação de um carro usado com motor a gasóleo, mas a Autoridade Tributária (AT) vai recorrer da decisão do Centro de Arbitragem. A ordem para que o Fisco recorra da decisão veio diretamente do Governo, com as Finanças a garantir em comunicado que o ISV de carros importados é mesmo para cobrar na totalidade.

O Governo defende que, na compra de carros usados e em princípio mais antigos, a componente ambiental do imposto automóvel não deve ter um desconto, adianta o Observador (acesso livre). Tendo em conta esta posição, “discorda profundamente” do veredicto do tribunal. Em causa neste caso estava a forma como a AT calculou o valor do imposto, que não tem em conta a idade dos automóveis.

De acordo com o comunicado do gabinete do Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, as Finanças garantem que “o modelo atual de apuramento do ISV sobre os veículos usados e comprados noutros Estados-membros da União Europeia é plenamente justificado e está em linha com o artigo 110.° do TFUE” e dizem já ter sido questionadas por Bruxelas sobre o tema. “As autoridades portuguesas já se pronunciaram tempestivamente sobre o tema, manifestando o entendimento no sentido da compatibilidade da solução legislativa portuguesa com o Direito Europeu vigente.”

Agora, o Executivo ordenou ao Fisco que “utilize todos os meios processuais legalmente previstos para contestar qualquer decisão judicial ou arbitral”. Do ponto de vista das Finanças não está em causa a perda de receita fiscal, mas antes o impacto ambiental destes veículos. “Se os veículos novos pagam a totalidade do imposto correspondente à componente ambiental, com base nas respetivas emissões de CO2, por maioria de razão também os veículos usados devem suportar o pagamento da totalidade dessa componente ambiental (sem desconto associado à desvalorização comercial da viatura), tendo em conta que os malefícios causados ao ambiente não são inferiores aos dos veículos novos para o mesmo escalão de emissões de CO2.”

O Ministério das Finanças garante ainda que não pretende “criar nenhum obstáculo ao regular funcionamento do mercado único, mas sim de respeitar os compromissos ambientais assumidos pelo Governo português, bem como pelos Estados-membros no Acordo de Paris sobre as alterações climáticas (designadamente a neutralidade carbónica em 2050)”.

Por outro lado, o Governo “considera que no tema da componente ambiental do ISV está em causa a necessária salvaguarda da igualdade de tratamento fiscal a conferir a todos os veículos que estejam no mesmo escalão de emissões do CO2” e que “a decisão tomada tem subjacente apenas considerações de salvaguarda ambiental, garantindo o efetivo cumprimento da função ambiental deste imposto”.

No caso, de 2018, que deu origem ao processo, um contribuinte pagou 5.500 euros de ISV à AT pela importação, a partir da Alemanha, de um carro a diesel com matrícula de 2017. O contribuinte recorreu à Justiça, argumentando que a componente ambiental do ISV também deveria ter em conta a idade do automóvel. O Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD) deu razão ao queixoso.

(Notícia atualizada às 21:32 com reação oficial do Ministério das Finanças)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fisco vai recorrer da devolução de imposto sobre carros usados importados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião