Guerra comercial preocupa investidores. Mas Wall Street escapa às perdas

Os principais índices dos EUA abriram em alta após um fim de semana prolongado. Contudo, os receios à volta da guerra comercial entre os EUA e a China estão a fazer estremecer os mercados.

Depois de um fim de semana prolongado, com as bolsas encerradas devido ao Memorial Day, Wall Street abriu em alta, embora com ganhos controlados. Apesar deste desempenho, os investidores estão um pouco desanimados com as declarações de Donald Trump sobre as negociações com a China, que disse que um acordo entre os dois países está mais longe de ser alcançado.

O S&P 500 está a subir 0,32% para 2.835,63 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq sobe 0,56% para 7.679,85 pontos. A acompanhar esta tendência está o industrial Dow Jones que valoriza 0,41% para 25.689,66 pontos.

Apesar deste bom desempenho de Wall Street, os ganhos das ações e dos índices estão a ser “controlados”, diz a CNBC (conteúdo em inglês). Isto porque vão aumentando as tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo.

Esta segunda-feira, o Presidente norte-americano afirmou que os Estados Unidos “não estão prontos” para fazer um acordo comercial com a China, embora espere que isso venha a acontecer no futuro. Donald Trump adiantou ainda que as tarifas sobre os produtos importados da China podem subir “substancialmente”.

“Ainda acreditamos que um acordo comercial será alcançado, embora possa demorar muitos meses”, diz Bruce Bittles, estrategista-chefe da Baird. “Ambas as partes têm muito em jogo para não chegarem a algum tipo de acordo, pois uma guerra comercial poderia levar a China a uma recessão profunda e o presidente precisa de uma economia forte para manter apoio suficiente para vencer as eleições de 2020.”

“Trump está a jogar Game of Thrones com adversários estrangeiros e nacionais”, diz Ed Yardeni, presidente e estratega-chefe de investimentos da Yardeni Research, citado pela CNBC. “Como ele é presidente do maior poder económico e militar do mundo, ele disse que vai celebrar muitos acordos com esses países, o que beneficiará fortemente os Estados Unidos num curto espaço de tempo”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Guerra comercial preocupa investidores. Mas Wall Street escapa às perdas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião