5 apps do Estado que põem os serviços públicos na palma da sua mão

Sabia que há uma app do Estado que lhe permite deixar o cartão de cidadão e a carta de condução em casa? E outra que dá acesso ao boletim de vacinas e às receitas eletrónicas? Conheça estas e outras.

O Estado está mais digital e são cada vez mais os serviços públicos à distância de um toque no ecrã. Se, antes, um simples leitor de cartões, que custa pouco mais de dez euros, permitia poupar horas em filas de espera para coisas tão simples quanto alterar a morada do cartão de cidadão, há agora uma série de aplicações móveis do Estado capazes de simplificar a vida a quem disponha de um smartphone.

id.gov.pt. Para deixar os cartões em casa

Sabia que há uma aplicação do Estado que permite deixar o cartão de cidadão e a carta de condução em casa? Chama-se “id.gov.pt” e permite a qualquer cidadão português ter no smartphone cópias válidas do cartão de cidadão, carta de condução e cartão ADSE. Ao instalar a aplicação, só tem de criar um PIN de acesso e usar a Chave Móvel Digital para carregar para o sistema os seus documentos pessoais. Os documentos ficam visíveis e, quando necessário, a autenticidade pode ser validada com recurso a um código QR.

Está disponível para iOS (aqui) e Android (aqui).

MySNS Carteira. Para ter as receitas à mão

A MySNS Carteira também permite um acesso fácil a cartões e a informações úteis, desta vez na área da saúde. Desde o Boletim de Vacinas ao Cartão de Acesso à Saúde, esta aplicação permite agrupar tudo de forma simples, no seu telemóvel, igualmente através da Chave Móvel Digital. Contudo, a funcionalidade mais útil poderá ser os guias de tratamento eletrónico: receitas eletrónicas passadas pelo médico podem ser consultadas na aplicação e dispensadas em qualquer farmácia.

Está disponível para iOS (aqui) e Android (aqui).

sigaApp. Para evitar as filas de espera

Esta aplicação foi desenhada pelo Estado para gerir melhor as filas de espera dos serviços públicos como o IMT, IEFP e Segurança Social. Permite estimar quanto tempo tem de estar à espera na fila e tirar a senha em casa, para um atendimento mais célere.

Está disponível para iOS (aqui) e Android (aqui).

MyADSE. O cartão digital de beneficiário

Se é beneficiário da ADSE, esta aplicação é para si. “Esqueceu-se ou perdeu o seu cartão de beneficiário da ADSE? Não se preocupe. Identifique-se através do novo Cartão Digital Online”, lê-se na descrição da aplicação. Há ainda uma funcionalidade para encontrar clínicas com acordo com a ADSE nas proximidades e um simulador para saber o valor do reembolso.

Está disponível para iOS (aqui) e Android (aqui).

App.Gov.pt. A loja de aplicações do Estado

Ainda é pouco conhecida, mas o Governo criou uma “loja” de aplicações públicas para Android e iOS, chamada App.Gov.pt, ou “APP STORE – Governo de Portugal”. “Esta aplicação permite que os seus utilizadores instalem aplicações desenvolvidas por entidades públicas do Estado Português”, lê-se na descrição. Permite ficar a par das últimas novidades no campo da digitalização do Estado.

Só está disponível para Android (aqui), mas há uma versão web para os restantes sistemas operativos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 apps do Estado que põem os serviços públicos na palma da sua mão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião