Líder do SPD demite-se e coloca em risco coligação que sustenta governo alemão

A líder do SPD, o parceiro minoritário da coligação que sustenta o governo liderado por Angela Merkel na Alemanha, demitiu-se este domingo devido ao mau resultado nas eleições europeias.

A líder do partido Social Democrata alemão (SPD), o segundo maior partido da Alemanha e parceiro de coligação da CDU de Angela Merkel, demitiu-se este sábado e vai sair também da liderança do partido no Parlamento alemão, uma decisão inesperada e que pode colocar em causa a coligação que sustenta o governo alemão.

Andrea Nahles justificou a decisão, anunciada este domingo, com o fraco resultado do partido nas últimas eleições europeias. “O apoio necessário para desempenhar as minhas funções já não existe”, disse a líder do partido, num curto comunicado publicado na página do partido (texto em alemão).

O SPD foi apenas o terceiro partido mais votado nas eleições europeias do passado domingo, sendo ultrapassado pelos Verdes como segundo partido mais votado. Os sociais-democratas alemães conseguiram 27,27% dos votos em 2014, mas este ano não foram além dos 15,82%, perdendo 11 deputados no Parlamento Europeu. A Alternativa para a Alemanha (AfD), o partido de extrema-direita alemão, ficou em quarto lugar e aproxima-se cada vez mais do SPD.

A liderança da CDU de Angela Merkel, que também perdeu vários lugares no Parlamento Europeu apesar de ainda ser o partido mais votado, também tem marcada uma reunião para este domingo, precisamente para discutir o mau resultado eleitoral.

A decisão de Andrea Nahles pode agora vir a pôr em causa a Grande Coligação entre a CDU, a CSU (partido irmão da CDU na Baviera) e o SPD, parceiro minoritário no governo. Nahles era uma das maiores defensoras da coligação e conseguiu evitar que o partido quebrasse o acordo feito com a CDU.

Em 2017, quando se realizaram as legislativas alemãs, o então líder do SPD, Martin Schultz também acabou por se demitir no seguimento do mau resultado eleitoral e depois de ter mudado a sua posição e aceitado uma nova coligação com o partido de Angela Merkel.

Vários altos responsáveis do SPD, incluíndo membros do governo alemão, acreditavam na altura que os maus resultados do SPD deviam-se à participação numa grande coligação da qual Merkel celebrava as vitórias, mas deixava as derrotas para os seus parceiros de coligação.

A demissão pode levar agora a um distanciamento entre os partidos. Se o SPD decidir abandonar a coligação, a CDU e a CSU só reúnem 37% dos votos, longe da maioria necessária no Bundestag.

A própria CDU enfrenta a sua própria crise de liderança. Para conseguir formar governo, Angela Merkel prometeu abandonar o seu partido no final da legislatura e a CDU nomeou como sua sucessora Annegret Kram-Karrenbauer (que foi a escolha de Merkel). Mas, segundo a Bloomberg, a liderança da sucessora de Merkel já está a ser questionada.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Líder do SPD demite-se e coloca em risco coligação que sustenta governo alemão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião