Câmara de Almada quer reunião urgente com Governo para discutir ligações fluviais no Tejo

  • Lusa
  • 3 Junho 2019

Joana Mortágua, vereadora na Câmara pelo BE, culpou PSD/CDS pelo estado em que “deixou a empresa em estado de pré-rutura com o objetivo da privatização” e criticou atual Governo por adiar solução.

A Câmara Municipal de Almada, no distrito de Setúbal, aprovou hoje, por unanimidade, um pedido de reunião urgente ao Governo para alertar sobre a situação do transporte público fluvial no rio Tejo, exigindo a resolução dos problemas.

A vereadora eleita pelo Bloco de Esquerda, Joana Mortágua, apresentou a proposta de tomada de posição “Em Defesa dos Transportes Públicos” na reunião do executivo municipal que se realizou hoje.

“A parte resolutiva, votada por unanimidade, determina uma tomada de posição pública de preocupação e protesto pelo estado atual do serviço de transportes fluviais e delibera que o executivo deve reunir com o Governo para alertar para a necessidade urgente de resolver a situação dos serviços de transportes públicos fluviais”, refere a autarquia, liderada pela socialista Inês de Medeiros, em comunicado.

Na sua intervenção, Joana Mortágua apontou responsabilidades ao Governo PSD/CDS, que “deixou a empresa em estado de pré-rutura com o objetivo da privatização” e criticou o atual Governo, chefiado por António Costa (PS), por ter “adiado todas as respostas para 2019”.

“Os investimentos anunciados na contratação de navios e pessoal são insuficientes e tardios para resolver os problemas da empresa e adequar o serviço ao aumento da procura provocado pelo [passe] Navegante”, acrescentou a vereadora Joana Mortágua, defendendo também que deve ser negociado com urgência um novo contrato de serviço público com a Transtejo/Soflusa.

A Transtejo assegura as ligações fluviais entre o Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão e Lisboa, enquanto a Soflusa é responsável por fazer a ligação entre o Barreiro e Lisboa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Câmara de Almada quer reunião urgente com Governo para discutir ligações fluviais no Tejo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião