Tem uma ideia para ajudar o Estado a poupar? Funcionários públicos podem ganhar salário extra

O Governo renovou o incentivo aos funcionários públicos para que apresentem ideias que gerem poupanças aos cofres do Estado. Prémio pode chegar ao valor do salário mensal.

O Governo vai voltar a premiar os funcionários públicos que, a título individual ou em grupo, apresentem ideias que permitam gerar poupanças ao Estado sem reduzir a qualidade do serviço prestado aos cidadãos. O valor do incentivo pode chegar a um máximo equivalente ao valor do salário mensal do funcionário premiado.

Este mecanismo, previsto no Orçamento do Estado, tem sido implementado nos últimos anos pelo Ministério das Finanças e pelo Ministério da Presidência e da Modernização Administrativa. Para este ano, a fasquia foi colocada ao mesmo nível dos anos anteriores, sendo apenas elegíveis as ideias que permitam poupanças efetivas de, pelo menos, 50.000 euros, de acordo com a lei publicada no Diário da República.

No documento, o Governo salienta os “resultados positivos alcançados” nos anos anteriores, pelo que importa relançar “incentivos que promovam melhorias de eficiência na gestão da despesa pública”. As ideias podem aplicar-se à “aquisição ou locação de bens e serviços”, “empreitadas de obras públicas”, “gestão de recursos humanos” e “gestão de património imobiliário público”.

“O valor dos incentivos a distribuir pela equipa em cada ano é de 50% do montante referente à redução da despesa validada pela IGF [Inspeção-Geral de Finanças], até um limite anual global de 100% da massa salarial mensal da equipa responsável pela melhoria de eficiência”, lê-se na portaria. Se a poupança dor recorrente, os incentivos são atribuídos até um limite de quatro anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tem uma ideia para ajudar o Estado a poupar? Funcionários públicos podem ganhar salário extra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião