Fed sinaliza descida dos juros em setembro. Wall Street recupera 1%

A informação de que a Fed poderá baixar os juros em setembro está a ofuscar a notícia da abertura de investigações às grandes tecnológicas norte-americanas. Índices ganham cerca de 1%.

Wall Street está a recuperar das perdas expressivas das últimas sessões, perante a crescente hipótese de a Fed vir a baixar juros este ano. A informação está a ofuscar a notícia de que as as autoridades norte-americanas vão apertar o cerco a gigantes como o Facebook, a Apple e a Google, investigadas por alegadas práticas anticoncorrenciais.

O S&P 500 e o industrial Dow Jones estão a subir em torno de 1%, sendo o melhor desempenho registado pelo índice de referência desde a primeira sessão de abril. Já o tecnológico Nasdaq avança 1,08%, mostrando que os investidores estão a atribuir pouca relevância aos potenciais impactos das investigações em curso nos EUA.

A Apple avança 1,37%, para perto dos 175,70 dólares por ação, um dia depois de anunciar novidades nos produtos e ao nível do software na conferência anual de programadores. Já as ações da Amazon e do Facebook, outras das empresas investigadas, registam perdas ligeiras.

A puxar pelos mercados estão as recentes declarações do presidente da Reserva Federal de St. Louis, que foi o primeiro a admitir publicamente que a Fed poderá ter de baixar a taxa diretora já na próxima reunião. A hipótese tem sido amplamente antecipada pelos investidores, com a Bloomberg a atribuir uma probabilidade de 88% a que uma redução dos juros se verifique já em setembro.

A possibilidade de uma descida de juros, apesar de confirmar os receios dos investidores quanto ao abrandamento da economia, apresenta-se como uma resposta da Fed que poderá estimular o crescimento dos EUA.

Neste contexto, a General Electric avança 2,20% e a Tesla recupera 3,15%, para cerca de 184,7 dólares cada título, no dia em que revelou que pretende colocar no mercado uma “pick-up” que terá um custo inferior a 50 mil dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed sinaliza descida dos juros em setembro. Wall Street recupera 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião