BdP: Aumento da exposição à dívida põe banca em risco

Após uma década em queda, os ativos dos bancos portugueses cresceram pela primeira vez em 2018. Mas foi à conta do investimento em dívida pública, o que aumenta a vulnerabilidade do setor.

A banca está a apostar fortemente na dívida pública portuguesa, que já representa 9% dos ativos detidos pelas instituições financeiras. O investimento levou a que o montante dos ativos tenha aumentado pela primeira em uma década, mas também a um aumento da vulnerabilidade do sistema, de acordo com a análise do Banco de Portugal.

“O sistema bancário aumentou o volume total dos seus ativos pela primeira vez desde 2010. O aumento dos ativos bancários contrasta com a queda observada na última década. O crescimento dos ativos, em 2018, resulta sobretudo do aumento significativo dos títulos de dívida, em particular dívida pública portuguesa, mas também de dívida de empresas”, refere o relatório de estabilidade financeira publicado esta quarta-feira pelo BdP.

Os títulos de dívida pública (não só portuguesa, mas também espanhola e italiana) deram o maior contributo para o crescimento de 0,9% do ativo total do sistema bancário. As restantes rubricas contribuíram negativamente para a evolução.

A elevada liquidez dos bancos portugueses, a par dos juros negativos nos depósitos junto do Banco Central Europeu (BCE), tornaram a dívida pública portuguesa (especialmente de curto prazo) mais atrativa. As contas dos bancos mostram que, no ano passado, Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP, Santander Totta, Novo Banco e BPI viram as carteiras de dívida pública portuguesa engordar cerca de 30% para mais de 21 mil milhões de euros.

Mais do que o número absoluto, a tendência preocupa as autoridades internacionais, incluindo Fundo Monetário Internacional (FMI), Comissão Europeia e BCE, que já tinham feito alertas semelhantes. É cada vez maior o peso da dívida pública no balanço dos bancos, tendo passado de 1% em 2008 para cerca de 9% dez anos depois.

“O sistema financeiro continua exposto de forma significativa a determinadas classes de ativos. A exposição aos títulos de dívida soberana, em particular, deixa o sistema financeiro português sensível a estas reavaliações”, sublinha o relatório do BdP.

Apesar de os juros da dívida portuguesa estarem em forte queda e a renovar mínimos históricos, os alertas focam-se na possibilidade do impacto em cadeia de um choque que aumente os juros dos títulos soberanos. “Uma eventual subida de 100 pontos base das yields da dívida pública nacional, teria um impacto negativo de cerca de 51 pontos base no rácio CET1 dos bancos portugueses“, acrescenta o BdP.

Dívida portuguesa, italiana e espanhola lideram investimentos

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BdP: Aumento da exposição à dívida põe banca em risco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião