Estas são as quatro recomendações de Bruxelas para Portugal

No âmbito do semestre europeu, Bruxelas emitiu recomendações para todos os países da região. Para Portugal, o principal alerta vai para a necessidade de reduzir a dívida.

Portugal tem sido bom aluno, mas nem por isso deixa de receber recados. No âmbito do semestre europeu, Bruxelas emitiu recomendações para o país, alertando, entre outros, para a necessidade de manter os esforços de consolidação que permitam uma redução do endividamento público.

Mais investimentos para fomentar a economia, maior aposta na formação dos portugueses, são outras das recomendações específicas para Portugal. Conheça-as:

  • Bruxelas diz que Portugal “vai atingir o objetivo de médio prazo em 2020”, isto sem considerar os eventos extraordinários nacionais, referindo-se aos incêndios. Apesar de dar boa nota na questão do objetivo de médio prazo, alerta para a necessidade de o país “acelerar a redução do endividamento público”, isto numa altura em que a dívida portuguesa ascende a 252 mil milhões de euros. Defende ainda que Portugal olhe também para as contas das empresas públicas, pedindo um acompanhamento mais abrangente e transparente do setor empresarial do Estado.
  • Portugal deve, na perspetiva de Bruxelas, “adotar medidas que deem resposta à segmentação do mercado laboral”, isto ao mesmo tempo que recomenda que sejam implementadas medidas que promovam a “melhoria das competências dos trabalhadores, nomeadamente através do reforço da literacia digital e tornando a formação de adultos mais relevante para as necessidades do mercado laboral”. Nas recomendações específicas defende ainda que o país “aumente o número de licenciados (particularmente nas áreas da ciência e das tecnologias da informação) e melhore a proteção social”.
  • “O país deve focar a política económica na pesquisa e na inovação, nos caminhos-de-ferro e nas infraestruturas portuárias”, isto além de dar passos na transição energética. Neste campo, Bruxelas alerta para a necessidade de “alargar as ligações de energia levando em conta as disparidades regionais”.
  • Para Bruxelas, Portugal deve permitir uma “recuperação mais fácil dos colaterais associados ao malparado”, promovendo uma maior “eficiência dos processos de insolvência”. Lembrando que a “duração média dos processos de recuperação” de empresas é demorado, e que isso “pesa sobre os preços aplicados pelo mercado aos ativos não produtivos”, Bruxelas defende que se dêem passos no sentido de aumentar a eficiência dos tribunais para encurtar os tempos de tomada de decisão.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estas são as quatro recomendações de Bruxelas para Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião