Cursos superiores com médias mais altas vão poder aumentar vagas

  • ECO
  • 6 Junho 2019

Grupo de trabalho criado pelo Governo recomenda às instituições de ensino superior que aumentem as vagas em pelo menos 5% nos cursos procurados por candidatos com médias a partir de 17 valores.

Os cursos superiores procurados pelos alunos que terminam o secundário com as notas mais elevadas vão poder aumentar o número de vagas no próximo ano letivo. A norma vai aplicar-se também às universidades e politécnicos de Lisboa e do Porto, e surge no seguimento de uma recomendação por parte de um grupo de trabalho nomeado pelo Governo, avança o Público (acesso condicionado).

O grupo de trabalho foi criado com o objetivo de preparar as novas regras de acesso ao ensino superior e vem recomendar aos responsáveis das instituições de ensino que aumentem as vagas em “pelo menos 5%” nos cursos procurados por “candidatos com classificação média igual ou superior a 17 valores”, adiantou àquele jornal o presidente da Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior, João Guerreiro, que lidera a equipa nomeada pelo Governo para rever as normas do ingresso.

A ideia do grupo de trabalho nomeado pelo Governo foi “não desaproveitar a capacidade instalada” em áreas que têm muita procura e um potencial estratégico para o país.

No ano passado, 39 licenciaturas ou mestrados integrados tiveram nota de ingresso superior a 17 valores na 1.ª fase do concurso nacional de acesso.

A aplicação da recomendação significa que cursos como Engenharia Física Tecnológica, Engenharia Aeroespacial e Matemática Aplicada e Computação, do Instituto Superior Técnico (Universidade de Lisboa), Engenharia e Gestão Industrial e Bioengenharia, na Universidade do Porto, ou Multimédia, no Instituto Politécnico do Porto, que tiveram médias elevadas, podem vir a aumentar o número de vagas no próximo ano letivo.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior está a ultimar o despacho de fixação das vagas no ensino superior público para o próximo ano, que será enviado, até ao final da semana, ao Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas e ao Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos. O Público explica que os dois organismos reúnem-se na próxima semana para emitir um parecer sobre o documento, que terá que ser publicado até meados deste mês, para permitir às instituições de ensino superior fixar as vagas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cursos superiores com médias mais altas vão poder aumentar vagas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião