Monese passa a permitir guardar o dinheiro em “cofres”

Nova funcionalidade permite que os clientes guardem o dinheiro no seu "cofre" (em euros ou em libras), separado da conta à ordem.

Tem um dinheiro extra que não quer gastar? A Monese tem, agora, uma solução para os clientes da fintech. Em vez de ter todos os euros (ou libras) à ordem, tanto particulares como empresas passam a poder guardar esse dinheiro num “cofre”. E não há um valor mínimo a guardar nessa “caixa forte” digital.

“A maioria dos nossos clientes usa a Monese como conta bancária principal, por isso é muito importante proporcionar-lhes estas funcionalidades inteligentes, que lhes permitem gerir livremente as suas finanças”, diz o CEO da Monese, NorisKoppel, em comunicado.

Com este “cofres”, concebidos para os clientes internacionais mas também para aqueles que usam a Monese como conta bancária principal, os clientes da fintech vão poder fazer e agendar pagamentos automáticos e recorrentes para o seu “cofre” assim como agendar transferências que reforcem o valor lá guardado.

A Monese é uma das maiores e mais inovadoras fintech europeias e desenvolveu uma tecnologia que permite criar uma conta bancária digital em pouco menos de 120 segundos utilizando apenas um smartphone.

"Queremos que os nossos clientes se sintam ainda mais em controlo do seu dinheiro e os nossos “Cofres” são mais um passo nessa direção.”

Norris Koppel

CEO e fundador da Monese

A Monese anunciou recentemente que atingiu a fasquia de 1 milhão de utilizadores, com o crescimento de clientes a triplicar em 2018, e que está a captar mais de 3 mil novos registos por dia. A startup fundada em 2013 por Norris Koppel, apresenta o crescimento mais rápido na área fintech, na Europa, estando disponível em 20 países europeus e em 11 línguas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Monese passa a permitir guardar o dinheiro em “cofres”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião