Tripulantes ameaçam com greve no verão se não avançar estatuto de desgaste rápido

  • Lusa
  • 6 Junho 2019

Caso não haja uma decisão favorável sobre o estatuto de desgaste rápido para os tripulantes de cabine, o sindicato considera "inevitável" a convocação de greves no verão.

O SNPVAC “considera inevitável” a convocação de greves nas companhias aéreas em Portugal em julho e agosto caso não haja decisão favorável, nesta legislatura, sobre o estatuto de Profissão de Desgaste Rápido para os tripulantes de cabine.

Segundo um comunicado do Sindicato Nacional do Pessoal da Aviação Civil (SNPVAC), na quarta-feira foi admitida na Comissão de Trabalho e Segurança Social, da Assembleia da República, a Petição n.º 597/XIII/4.ª, na qual reivindicam que se consagre o estatuto de Profissão de Desgaste Rápido para os Tripulantes de Cabine.

“Relembramos que os tripulantes de cabine têm esta pretensão porque o trabalho em altitude a bordo de aeronaves comporta riscos que podem ser mitigados ao longo dos anos, contudo, nunca permitindo criar condições normais de trabalho”, refere o sindicato em comunicado.

Assim, “a frequente exposição no posto de trabalho a inúmeros fatores nocivos para a saúde dos profissionais navegantes só poderá ser resolvida caso se processe uma diminuição dos períodos de exposição a tais fatores, ou seja, a uma diminuição dos anos de laboração, minimizando assim as consequências nefastas na vida pessoal e familiar dos tripulantes de cabine, ocorridas ao longo da vida profissional”, acrescenta.

Por estes motivos, “sabendo que os deputados são obrigados a apreciar e deliberar sobre a Petição no prazo de 60 dias a contar da data da sua admissão”, o SNPVAC “irá estar atento ao desenvolvimento dos trabalhos”.

“Caso não haja uma decisão favorável sobre este assunto ainda durante esta legislatura, consideramos inevitável a convocação de greves para todas as companhias de aviação a operar em Portugal, nos meses de julho e agosto, como forma de protesto”, reforça o sindicato.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tripulantes ameaçam com greve no verão se não avançar estatuto de desgaste rápido

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião