Fisco distribui 68 milhões em bónus por 11 mil trabalhadores

  • ECO
  • 7 Junho 2019

Todos os funcionários da Autoridade Tributária receberam um suplemento de produtividade em 2018. Cada um recebeu, em média, 400 euros brutos por mês de um fundo alimentado por cobranças coercivas.

Todos os 11 mil funcionários do Fisco foram premiados no ano passado com um valor global de 68 milhões de euros, dinheiro que saiu do Fundo de Estabilização Tributário (FET) que é alimentado por cobranças coercivas, adianta o Jornal de Negócios nesta sexta-feira (acesso pago). Não se tratou de um prémio de desempenho, mas sim um suplemento de produtividade, segundo apurou o mesmo jornal.

Os prémios foram pagos de acordo com os salários. Em termos brutos, foram distribuídos em média 400 euros mensais por cada trabalhador do Fisco. Após retiradas as contribuições sociais pagas, o IRS, a ADSE, e também as contribuições pagas pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), os trabalhadores com salários mais baixos receberam cerca de 170 euros. Já o diretor-geral das Finanças recebeu cerca de 1.500 euros, nos mesmos moldes.

O dinheiro saiu do FET, fundo que foi criado em 1996 para oferecer suplementos aos trabalhadores da então Direção-Geral de Impostos, e que é alimentado através de uma pequena parte da cobrança coerciva de impostos.

É ao ministro das Finanças que compete definir a fatia da cobrança coerciva a ser transferida para o fundo. Este ano, Mário Centeno decidiu manter nos 5% (o máximo possível) a parcela de cobrança coerciva a transferir para o fundo, com base na avaliação que fez da produtividade global da AT, perante a execução do plano de atividade e do cumprimento dos objetivos acordados com a tutela.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fisco distribui 68 milhões em bónus por 11 mil trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião