Indefinição no Brexit faz mossa no setor automóvel do Reino Unido

  • Bernardo da Mata, em Londres
  • 13 Junho 2019

Com a sombra de uma saída sem acordo, há o risco de a importação de veículos ligeiros para o Reino Unido ficar sujeita a uma tarifa de 10%.

Enquanto o Partido Conservador procura o novo líder, com Boris Johnson à frente na corrida à sucessão de Theresa May, o Reino (cada vez menos) Unido abraça um longo período de indefinição que tem especial impacto no setor automóvel, uma indústria de 82 mil milhões de libras que emprega 856 mil pessoas.

Com a sombra de uma saída sem acordo, há o risco de a importação de veículos ligeiros para o Reino Unido ficar sujeita a uma tarifa de 10%, definida nos termos da Organização Mundial de Comércio, o que de acordo com a Associação Britânica da Indústria e Comércio Automóveis (SMMT) representaria um fatura adicional de cerca de 1,8 mil milhões.

É quase inimaginável “tarifas superiores a 10%”. Mas “só o facto de existirem tarifas terá um enorme impacto nas importações, mas também em empregos nas áreas das vendas e distribuição, manutenção e outros serviços que se perderão”, diz Peter Wells, diretor do Centro de Investigação sobre a Indústria Automóvel da Universidade de Cardiff, ao ECO.

Mas “o principal risco é que não existe clareza sobre os termos do processo de saída e de quais as condições que vão regular o pós-Brexit”, nota. “Como consequência desta incerteza”, acredita o investigador, “houve uma redução do investimento na indústria automóvel no Reino Unido”, esclarecendo, todavia, que “embora em muitos dos casos as decisões de desinvestimento não estejam exclusivamente relacionadas com o Brexit, a natureza das futuras relações de longo-prazo entre o Reino Unido e União Europeia são um importante fator (de preocupação)”.

"Sair da União Europeia tornará a importação de componentes e de materiais mais cara, o que é relevante se tivermos em conta que muitos dos fabricantes de veículos no Reino Unido importam grande parte desses mesmos materiais dos países da UE.”

Peter Wells

Diretor do Centro de Investigação sobre a Indústria Automóvel da Universidade de Cardiff

Sobre um impacto das tarifas na competitividade do setor, o professor diz que “sair da União Europeia tornará a importação de componentes e de materiais mais cara, o que é relevante se tivermos em conta que muitos dos fabricantes de veículos no Reino Unido importam grande parte desses mesmos materiais dos países da UE. Com um custo adicional, a que se somarão as barreiras alfandegárias (10% de tarifa, se nenhum acordo for feito), observaremos uma redução da competitividade dos veículos produzidos no Reino Unido no mercado da UE, o que faz prever um declínio da produção automóvel britânica no caso de insucesso na presença em mercados alternativos”.

Mas o investigador diz que os fabricantes da UE também sofrerão. Atualmente, o Reino Unido apresenta um excedente estrutural na produção de motores, sendo que os motores já finalizados são depois exportados para as fábricas de montagem na UE. Os custos naturalmente subirão. Mas mais importante do que isso, o mercado britânico é muito relevante no conjunto europeu. “O Reino Unido apresenta tendencialmente um maior número de carros especializados e de alta cilindrada vendidos e, por essa mesma razão, apresenta-se como um mercado lucrativo para os importadores”, diz.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Indefinição no Brexit faz mossa no setor automóvel do Reino Unido

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião