Governo fecha acordo com Altice e Motorola. Estado fica com 100% do SIRESP por 7 milhões de euros

O Governo chegou a acordo com a Altice e a Motorola para a compra das suas participações na rede de comunicações de emergência. Estado passa a controlar 100% do SIRESP a 1 de dezembro.

O Governo já fechou o acordo com a Altice e a Motorola. O Estado vai passar a controlar a totalidade do capital da rede SIRESP, tendo comprado as ações remanescentes por um valor de 7 milhões de euros. O “cheque” só será passado a 1 de dezembro, altura em que se efetiva a operação.

Tal como tinha sido avançado pelo primeiro-ministro, António Costa, e reforçado pelo ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, o acordo com os outros dois acionistas da rede de comunicações de emergência ficou fechado esta quinta-feira, 13 de junho. E foi aprovado no Conselho de Ministros.

“Foi aprovada uma reforma do SIRESP que visa transferir a rede para a esfera publica”, revelou o secretário de Estado do Tesouro, Álvaro Novo. No âmbito dessa reforma, que “defende o interesse público no bom funcionamento da rede de emergência”, o Estado acordou a aquisição à Altice e à Motorola de um total de 33 mil e 500 ações.

O valor da aquisição foi de “7 milhões de euros”, revelou o secretário de Estado na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros, salientando que esse “cheque” será passado mais no final do ano.

A transferência das ações dos acionistas privados para o Estado acontecerá a 1 de dezembro, mas é “reforçada desde já a intervenção do Estado na condução executiva da rede SIRESP, estando deste modo garantido que não haverá qualquer desligamento do respetivo sinal de emergência”, diz o comunicado do Conselho de Ministros. Estão, assim, salvaguardadas as comunicações de emergência neste verão, período de maior incidência de incêndios.

Recorde-se que o reforço da posição do Estado no capital da empresa foi uma necessidade assumida pelo Governo após as falhas registadas no sistema de comunicações no combate ao grande incêndio de Pedrógão Grande, em 2017.

“Dada a relevância deste sistema, faz hoje sentido que o Estado tenha o domínio integral efetivo sobre a operação de um sistema que anualmente suporta mais de 35 milhões de chamadas a mais de 40 000 utilizadores e que envolve interesses tão essenciais da segurança do Estado e dos cidadãos”, remata o Executivo.

(Notícia atualizada às 13h43 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo fecha acordo com Altice e Motorola. Estado fica com 100% do SIRESP por 7 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião