“É possível e desejável” renovar a geringonça, diz ministra Mariana Vieira da Silva

  • ECO
  • 15 Junho 2019

A ministra Mariana Vieira da Silva afirmou que "é possível e desejável" renovar a atual solução governativa após as próximas eleições, mas assumiu que o PS prefere uma maioria absoluta.

A ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva.MÁRIO CRUZ/LUSA

Mariana Vieira da Silva afirmou que “é possível e desejável” uma renovação da atual solução governativa. Para a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, “os dirigentes do PS têm sempre reafirmado a vontade de repetir a experiência”.

“Não vejo que não seja possível repetir o exercício de nos entendermos sobre aquilo em que estamos de acordo e deixarmos em aberto o que discordamos”, afirmou, numa entrevista publicada no Dinheiro Vivo. Questionada sobre se considera apenas possível ou também desejável, a ministra retorquiu que não só é possível como é desejável pelo PS.

Ainda assim, Mariana Vieira da Silva assumiu que o PS preferia governar sozinho com uma maioria absoluta nas próximas legislativas. “Não conheço um partido que vá a eleições cujo objetivo não seja ter mais votos”, apontou a ministra.

Sobre se está disponível para integrar um próximo Governo, caso haja um convite, Mariana Vieira da Silva garantiu não ter “decisões tomadas”. “Quando se está nestas funções, um mês parece bem mais [tempo], e ainda temos muito trabalho pela frente”, desabafou. De qualquer forma, a ministra lembrou que está “a participar na construção do programa eleitoral do PS”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“É possível e desejável” renovar a geringonça, diz ministra Mariana Vieira da Silva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião