Sonae fica dona da marca Continente em Espanha mas não prevê abrir hipermercados no país

  • Lusa
  • 15 Junho 2019

A presidente executiva da Sonae diz que o grupo quer "continuar a ganhar no mercado" onde atua e que por isso vai continuar a "investir, inovar e crescer".

A presidente executiva da Sonae, Cláudia Azevedo, afirmou esta sexta-feira que, apesar do grupo ter vencido “a batalha judicial” sobre a marca Continente em Espanha contra o Carrefour, não prevê “a curto prazo” abrir hipermercados naquele país.

“Num curto prazo não estou a ver um formato alimentar a ir para Espanha. Era importante a marca ser nossa, aliás, não fazia sentido a marca não ser nossa, o Carrefour não ia usá-la”, salientou Cláudia Azevedo durante a 3.ª edição dos Encontros Fora da Caixa, que decorreu na Fundação Cupertino de Miranda, no Porto.

Num curto prazo não estou a ver um formato alimentar a ir para Espanha. Era importante a marca ser nossa, aliás, não fazia sentido a marca não ser nossa, o Carrefour não ia usá-la.

Cláudia Azevedo

Desde 2008 que os dois grupos de retalho se defrontavam em tribunal pela utilização da marca Continente, isto porque, quando os grupos franceses Carrefour e Promodés se juntaram, em 2000, as marcas Pryca e Continente passaram a denominar-se Carrefour.

Aquando da expansão das lojas Continente em Portugal, o grupo francês aliou-se à Sonae que, após a fusão, ficou com os direitos de exploração da marca em Portugal e, posteriormente, a registou em Espanha.

Apesar de a Sonae ser a detentora da marca Continente em território nacional, até esta semana, a Carrefour mantinha os direitos de exploração sobre a marca em Espanha. De acordo com a sentença do Supremo Tribunal, a que o jornal espanhol CincoDías teve acesso, foi reconhecida a legitimidade de o grupo português utilizar a marca por falta de utilização, descartando deste modo a acusação do grupo francês de “existência de má fé no registo” e de “conduta desleal” por parte da Sonae.

Durante o encontro, Cláudia Azevedo salientou que o processo judicial “nunca impediu” o grupo português de “atuar” em território espanhol, dando como exemplo a abertura de um “novo escritório”, em Madrid, onde estão sediadas todas as empresas do grupo.

Questionada sobre quais seriam os planos a curto e médio prazo, a presidente executiva da Sonae afirmou que o grupo quer “continuar a ganhar no mercado” onde atua e que por isso vai continuar a “investir, inovar e crescer”.

“Nos mercados onde estamos queremos continuar a crescer e a ganhar quota de mercado de uma forma rentável e sustentável. Somos muito competitivos, e ao mesmo tempo, a Sonae é uma companhia de longevidade, estamos aqui para ficar e temos o nosso valor, não só económico, mas social”, referiu.

Nos mercados onde estamos queremos continuar a crescer e a ganhar quota de mercado de uma forma rentável e sustentável. Somos muito competitivos, e ao mesmo tempo, a Sonae é uma companhia de longevidade, estamos aqui para ficar e temos o nosso valor, não só económico, mas social.

Cláudia Azevedo

Neste terceiro Encontro Fora da Caixa, que decorreu sob a equação ‘Economia = Mercado x (Conhecimento & Cultura)’, Cláudia Azevedo mencionou a importância do mercado, mas também do conhecimento e da cultura, afirmando “rever-se completamente na fórmula” matemática.

“O mercado é o palco onde tudo acontece, onde os clientes e os fornecedores se encontram, onde é marcado um preço e esse preço é muito fruto do conhecimento do cliente e da cultura que fazem a esse preço e a esse bem. O conhecimento é inovação, tecnologia, a cultura é a vontade de fazer acontecer e inovar”, concluiu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae fica dona da marca Continente em Espanha mas não prevê abrir hipermercados no país

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião