Caixa devia ter agido antes da derrocada das ações do BCP, diz Vítor Constâncio

O ex-governador do Banco de Portugal responsabiliza a administração da CGD pelo "buraco" de 250 milhões de euros que Joe Berardo deixou no banco público.

Vítor Constâncio, ex-governador do Banco de Portugal, diz que o supervisor agiu dentro das suas competências no que respeita ao empréstimo da Caixa Geral de Depósitos (CGD) que permitiu a Joe Berardo reforçar a sua posição no BCP e remete para o banco público a responsabilidade pelo rumo que o processo acabou por ter. Constâncio considera que a administração deveria ter tomado uma posição antes de as ações do BCP terem entrado em queda livre, de forma a prevenir o “buraco” que o empresário madeirense deixou na Caixa.

De facto, [a CGD] deveria ter tomado decisões antes, antes de as ações terem começado a descer“, disse Vítor Constâncio, esta sexta-feira, em entrevista ao programa 360º da RTP3, lembrando que “isso não aconteceu”.

O ex-governador do BdP sublinhou que o contrato de crédito da CGD, que permitiu à Fundação Berardo reforçar a sua posição acionista no BCP, tinha um conjunto de garantias de cobertura de risco. A Caixa poderia verificar todos os dias se as ações dadas em penhor cobriam o crédito — 350 milhões de euros — e de três em três meses, aferir se as mesmas valiam mais 5% do que o montante em dívida. Vítor Constâncio disse que essas ações tinham de valer mais 17,5 milhões de euros.

De facto, [a CGD] deveria ter tomado decisões antes, antes de as ações terem começado a descer.

Vítor Constâncio

“A responsabilidade é dos administradores da Caixa não terem executado em determinado momento” as ações do BCP, disse na entrevista à RTP3, acrescentando que a Caixa “podia e devia ter verificado todos os dias” o valor das ações. Caso as ações não cobrissem o valor do empréstimo, a administração da Caixa podia pedir mais ações em penhor ou exigir a Joe Berardo pagamento em dinheiro para reduzir a dívida. Se não o fizesse a Caixa poderia apropriar-se das ações.

Vítor Constâncio frisou ainda que “essas decisões são da exclusiva responsabilidade da gestão dos bancos privados“, descartando assim responsabilidades na matéria. “O supervisor não podia inverter a decisão dos bancos“, sublinhou.

O antigo governador explicou ainda que estava vedado ao BdP fazer “juízos de valor sobre a operação já assinada entre as partes“. E se a não oposição à participação qualificada se traduz numa tomada de posição do supervisor, a não validação da mesma também o seria.

E se fosse administrador da CGD teria concedido o crédito a Berardo? “Não sei”, admitiu Vítor Constâncio.

Na entrevista, Vítor Constâncio falou ainda em reuniões que teve tanto com Filipe Pinhal — a pedido deste — bem como com acionistas do BCP. No entanto, desta reunião onde esteve presente todo o conselho de administração do BdP, não foi elaborada nenhuma ata, por não ser uma reunião formal. Por isso Constâncio diz que não vai ser possível disponibilizar ao Parlamento os documentos pedidos.

Permiti o que a lei me permitia fazer [enquanto governador do Banco de Portugal].

Vítor Constâncio

Constâncio não poupou ainda críticas ao antigo presidente do BCP — o ex-governador do BdP já admitiu mesmo processar Filipe Pinhal — já que este “não tem credibilidade para falar” face às recentes críticas que te proferido, lembrando que este foi condenado em vários processos do BdP e da CMVM.

Questionado sobre se considerava ter sido um bom gestor do BdP, Vítor Constâncio não hesitou. “Sem dúvida”, disse. “Permiti o que a lei me permitia fazer”, acrescentou, lembrando as dezenas de processos” abertos a administradores da banca enquanto exerceu funções, acrescentando que “não houve qualquer complacência em abrir esses processo”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caixa devia ter agido antes da derrocada das ações do BCP, diz Vítor Constâncio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião