“Coletes amarelos” sem fôlego em França. Apenas 7.000 se manifestaram este sábado

  • ECO
  • 16 Junho 2019

Os "coletes amarelos" franceses perderam o fôlego em França. Chegaram a contar com 250 mil nas ruas, mas apenas 7.000 se manifestaram este sábado.

Desde novembro – e semana após semana -, o movimento dos “coletes amarelos” franceses provocou desacatos e desafiou a liderança do Presidente Macron.EPA/YOAN VALAT

Os “coletes amarelos” em França estão a perder o fôlego. Sete meses depois, o futuro do movimento que desafiou a liderança do Presidente Emmanuel Macron é incerto, enfrentando ele próprio uma crise de liderança e um desvanecimento do apoio das multidões.

O movimento tem protestado nas ruas todos os fins de semana, ao sábado. Mas são cada vez menos os apoiantes. Neste último sábado, apenas cerca de 7.000 manifestantes decidiram sair à rua para protestar, com alguns dos anteriores apoiantes a queixarem-se de que o “movimento perdeu a sua essência”. A notícia foi avançada pelo The Wall Street Journal (acesso pago), citando dados do Ministério do Interior francês.

Os 7.000 manifestantes do último sábado, em França, comparam com os cerca de 250.000 que protestaram a 17 de novembro contra os impostos elevados cobrados nos combustíveis.

O fenómeno dos “coletes amarelos” — designado desta forma devido aos coletes refletores vestidos pelos manifestantes — alastrou-se a outros países, incluindo a Portugal. Em dezembro do ano passado, vários cidadãos portugueses tentaram organizar um protesto para “parar o país”, mas a falta de organização e de uma liderança levou a que a iniciativa não tenha gerado grande impacto.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Coletes amarelos” sem fôlego em França. Apenas 7.000 se manifestaram este sábado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião