À espera do 5G? Samsung já está a pensar na era 6G

  • ECO
  • 16 Junho 2019

Numa altura em que o mundo ainda dá passos de bebé no 5G, a sul-coreana Samsung já está a discutir planos para investir na era 6G na década seguinte.

A Samsung já está a discutir planos para o 6G, numa altura em que os países ainda estão à espera da quinta geração de rede móvel.

A Samsung já está a pensar no mundo após o 5G. Numa altura em que o mundo ainda está a dar os primeiros passos na rede móvel de quinta geração, a fabricante sul-coreana já admite empenhar esforços para estar na frente da corrida ao 6G, que deverá ser a sexta geração de rede móvel, a implementar na década de 2030.

O vice-chairman da empresa, Jay Lee, discutiu essa intenção com executivos de topo da tecnológica, de acordo com informações obtidas pela Bloomberg (acesso condicionado). Apesar de ainda ser muito cedo para teorizar aquilo que poderá vir a ser o 6G, o líder da empresa assumiu que quer começar já a preparar possível investimentos em novas áreas de negócio, desde a inteligência artificial à blockchain, passando, eventualmente, pelos acessos à internet de sexta geração.

A Coreia do Sul e os EUA tornaram-se recentemente os primeiros países do mundo a lançar a rede comercial de 5G, infraestrutura que permite ligações com débitos na ordem de 1 Gbps (gigabit por segundo). Espanha deverá lançar o 5G através da Vodafone a 15 de junho e as empresas de telecomunicações portuguesas estão à espera que o Governo lance os leilões das frequências que vão ser usadas na tecnologia.

É impossível saber como será e quando chegará o 6G, uma vez que muitas das tecnologias poderão ainda nem ter sido desenvolvidas. Mas espera-se que o 5G promova o desenvolvimento da indústria cada vez mais automatizada, sendo certo que a tecnologia vai ter um papel crítico na competitividade dos países ao longo da próxima década.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

À espera do 5G? Samsung já está a pensar na era 6G

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião