Guterres alerta para necessidade de “evitar escalada de tensão” no Golfo

  • Lusa
  • 23 Junho 2019

“O mundo de hoje não pode suportar uma confrontação no Golfo, que teria consequências imprevisíveis”, afirmou secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, alertou este domingo para necessidade de “evitar qualquer escalada” de tensão no Golfo, face ao agravamento das relações entre os Estados Unidos e o Irão nos últimos dias.

“Neste momento vivemos no Golfo uma situação de grande tensão, como é sabido. Disse há dois dias que é preciso que todos tenham nervos de aço. É absolutamente indispensável evitar qualquer escalada”, disse António Guterres, à margem da Conferência Mundial de responsáveis pela Juventude, que terminou este domingo. “O mundo de hoje não pode suportar uma confrontação no Golfo, que teria consequências imprevisíveis”, afirmou.

O clima de tensão entre o Irão e os Estados Unidos dura há bastante tempo, mas a crispação tem aumentado desde que Donald Trump retirou os Estados Unidos, há um ano, do acordo nuclear internacional assinado em 2015 entre os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança – Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China (mais a Alemanha) – e o Irão, restaurando sanções devastadoras para a economia iraniana.

No sábado, Donald Trump, admitiu que o uso da força contra o Irão “está sempre em cima da mesa”. Esta declaração surgiu depois de, na quinta-feira, ter havido a confirmação de que o Irão tinha abatido um drone americano – que, segundo Teerão, violou o espaço aéreo nacional, mas, de acordo com Washington, estava em espaço aéreo internacional.

Donald Trump anunciou, como retaliação, um ataque contra três locais no Irão, o qual foi abortado, à última hora, segundo Trump para evitar um elevado número de mortos.

Na sexta-feira, os Estados Unidos pediram a realização de uma reunião à porta fechada do Conselho de Segurança das Nações Unidas, para falar sobre os últimos desenvolvimentos relacionados com o Irão, o que deverá acontecer na segunda-feira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Guterres alerta para necessidade de “evitar escalada de tensão” no Golfo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião