Governo tem 45 milhões para pôr mais comboios a andar. Também vêm ai mais 187 trabalhadores

O Executivo aprovou esta quinta-feira um novo plano estratégico para a CP, com um plano de investimentos de 45 milhões de euros e a contratação de 187 trabalhadores.

A CP vai reativar as oficinas da EMEF em Guifões, no Porto, e contratar mais trabalhadores para aumentar a capacidade das oficinas e recuperar material circulante que foi sendo encostado nos últimos anos. Com mais comboios a circular, tendo em vista responder ao aumento da procura, impõe-se ainda contratações diretamente na CP.

A reativação das oficinas, que foi aprovada esta quinta-feira em Conselho de Ministros, faz parte do novo plano estratégico da CP – Comboios de Portugal. Conforme avançou esta quinta-feira o Público (acesso pago), o plano prevê ainda a criação de um centro tecnológico ferroviário que permita reativar a indústria nacional. A prazo o objetivo é criar um comboio português.

De acordo com o comunicado do Conselho de Ministros, o plano prevê um investimento de plurianual de 45 milhões de euros, dos quais 9 milhões serão executados ainda este ano. Este valor é um “adicional do que é já o orçamento da EMEF”, esclareceu Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas e Habitação, na conferência de imprensa que se seguiu à reunião do Executivo. De acordo com Pedro Nuno Santos, esta verba “não tem nada a ver com o contrato de serviço público”.

E ainda que o Conselho de Ministro tenha determinado que seja assegurada a “entrada em vigor do contrato de serviço público de transporte ferroviário de passageiro entre a CP e o Estado”, este ainda está a ser negociado com o Ministério das Finanças. “Há trabalho a ser feito com as Finanças”, disse o ministro das Infraestruturas, esclarecendo que os dois gabinetes estão a trabalhar para que o contrato de serviço público seja aprovado “no quadro desta legislatura”. “Todos nós no Governo percebemos bem a importância da CP ter um contrato de serviço público.”

“A CP presta serviço em linhas que serão naturalmente deficitárias”, afirma Pedro Nuno Santos para explicar que se o país pretende que este serviço seja assegurado, então o Estado deve “assumir contratualmente com a CP para suportar esses encargos”, criando assim “um quadro de estabilidade e de previsibilidade” a quem gere a empresa.

CP já não precisa de autorização das Finanças para substituir saídas

Foi ainda autorizada “a contratação imediata de 120 trabalhadores para a CP e de 67 trabalhadores para a EMEF”, bem como “a possibilidade de contratação automática para suprir as saídas que ocorram na empresa a partir do mês de julho”. Isto significa que a administração da CP pode avançar desde já para a contratação de 40 maquinistas, 40 revisores, 20 assistentes comerciais, bem como outras 20 pessoas que podem ser “afetados pela administração às categorias profissionais em que haja ainda necessidade”. Além disso, tanto a EMEF como a CP pode substituir automaticamente qualquer trabalhador que abandone “funções permanentes” a partir de julho, não estando sujeitas à pré-autorização do Ministério das Finanças.

O plano estratégico para o setor ferroviário prevê ainda que a EMEF volte a fazer parte da CP antes do final do ano. A empresa de manutenção deverá ainda ter “condições, a curto prazo, para avançar com a recuperação, renovação e manutenção de material circulante, nomeadamente através da reabertura da oficina de Guifões”.

Esta decisão tem em conta, afirmou o ministro das Infraestruturas, que a compra de novos comboios exige um prazo mínimo de quatro anos — está, aliás, prevista a compra de 22 comboios para o serviço regional, que devem ser entregues em 2002/23 –, mas que o país não pode esperar tanto tempo. Admitindo que as medidas agora anunciadas “não têm efeitos nem consequências imediatas”, Pedro Nuno Santos reconhece que será mais rápido recuperar o material que se encontra parado. “Ao longo dos últimos anos foi-se encostando material circulante, que devidamente recuperado pode ser injetado na rede ferroviária”, garante, defendendo que o Executivo quer “recuperar a capacidade de intervenção da EMEF, que entretanto já tínhamos desistido de ter”.

Com este conjunto de medidas, o Executivo acredita que estarão criadas “as condições para o desenvolvimento da empresa a médio e longo prazo, de modo a garantir adequados padrões de fiabilidade, regularidade, qualidade e atratividade do serviço público ferroviário“.

Já no final de maio, Pedro Nuno Santos tinha anunciado que estava a trabalhar num plano de recuperação da CP, o qual tinha como objetivo “antes de mais, atuar sobre o curto prazo, isto é, travar a degradação de material circulante através do aumento da capacidade de resposta oficinal da empresa e do recrutamento de trabalhadores para o efeito”.

O desinvestimento e os cortes efetuados nas empresas públicas de transportes durante o Governo de Pedro Passos Coelho tiveram como resultado a redução do número de trabalhadores e a retirada de circulação das carruagens e locomotivas que foram avariando, sem que a EMEF tivesse capacidade de resposta. Uma situação que se deteriorou nesta legislatura, com o atual Governo a não fazer os investimentos necessários, e que levou mesmo Pedro Nuno Santos a pedir desculpa aos utentes da CP.

A CP tem procurado responder às dificuldades com o aluguer de material circulante em Espanha, mas nem mesmo esse tem sido suficiente.

Em paralelo, a redução do número de trabalhadores imposta pelo programa da Troika faz com que faltem revisores, maquinistas e até mesmo funcionários que assegurem o funcionamento das bilheteiras.

 

(Notícia atualizada às 15H09 com mais informação)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Governo tem 45 milhões para pôr mais comboios a andar. Também vêm ai mais 187 trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião