Rio critica Governo pelos transportes públicos. “Baixaram preços, mas não oferecem serviço como deve de ser”

Desde que este Governo tomou funções, os serviços públicos registaram uma degradação brutal. Quem o diz é Rui Rio, que deixa duras críticas à situação dos transportes.

Rui Rio considera que desde que o Executivo de António Costa está em funções os serviços públicos registaram uma “degradação brutal”. À saída de um encontro com o Presidente da República, o dirigente social-democrata referiu como exemplos dessa debilitação dos serviços os atrasos na atribuição de pensões na Segurança Social e a crise dos transportes públicos.

“Os passes sociais são uma boa ideia transformada numa medida relativamente má”, sublinhou Rio, em declarações aos jornalistas transmitidas pela RTP3. Isto porque à boleia desses novos passes sociais — que implicaram a redução do preço dos transportes — tem sido registado um aumento significativo da procura pelo serviço, que não estavam preparados para tal. Em resultado, o Metro de Lisboa está a retirar os bancos com quatro lugares sentados de algumas carruagens para aumentar o espaço disponível nas composições e têm faltado barcos para fazer as ligações entre as margens lisboetas.

Face a esta crise dos transportes, Rui Rio frisa: “Baixaram os preços, mas não oferecem transportes como deve ser”. O social-democrata sublinha que o Governo tem vindo a “remediar” a situação, mas não tem tomado as medidas necessárias para a sua solução. “São medidas desgarradas, mesmo aquilo que são boas ideais são mal executadas e revertem em pior qualidade de vida para as pessoas”.

Esta quinta-feira é dia de debate quinzenal na Assembleia da República e o Bloco de Esquerda escolheu exatamente este tema dos transportes como tema para o debate. De notar que António Costa já admitiu que esta matéria será um dos pontos fortes do programa eleitoral socialista e Pedro Nuno Santos pediu “desculpa” aos utentes afetados por esta crise neste serviço.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio critica Governo pelos transportes públicos. “Baixaram preços, mas não oferecem serviço como deve de ser”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião