Governo quer carros elétricos nas frotas das empresas públicas, mas tem de haver redução de custos

Executivo quer promover a aquisição e a locação de veículos de zero emissões por parte de setor empresarial do Estado, mas é necessário demonstrar a redução de encargos com esta opção.

O Governo quer que o setor empresarial do Estado também contribua para o objetivo da descarbonização das frotas. Assim, as empresas públicas vão poder comprar ou fazer aluguer de longa duração veículos veículos de zero emissões para a sua frota operacional, mas isso tem de estar previsto no seu plano de atividades e no orçamento. Além disso é necessário demonstrar que esta opção resulta numa redução de encargos com a frota automóvel.

“As empresas do setor empresarial do Estado podem adquirir ou locar veículos para a sua frota operacional, constituída pelo conjunto de veículos que se destinam a satisfazer as necessidades de transporte, específicas e diferenciadas, diretamente relacionadas com a missão e atividade principal das empresas, que sejam imprescindíveis à atividade da empresa, desde que estejam previstos nos respetivos planos de atividades e orçamento”, pode ler-se na resolução do Conselho de Ministro publicada esta quinta-feira em Diário da República.

Esta autorização estende-se também aos veículos destinados “a satisfazer as necessidades de transporte normais, para uso de representação, pessoal ou relacionadas com atividades de apoio ou suporte das empresas”.

Mas, seja qual for a utilização a dar aos carros é sempre necessário que demonstrar que os encargos com a compra ou aluguer estão incluídos nos respetivos planos de atividades e orçamento das empresas — salvo exceções que têm de ser devidamente autorizadas pelo Ministério das Finanças — e provar que haverá uma redução de encargos com a frota automóvel resultante do contrato a celebrar.

Além disso, as empresas também são obrigadas a dar informação detalhada no que respeita à comparação de encargos de uma nova aquisição com os veículos a abater e demonstrar “a vantagem económica da aquisição” em relação à contratação em regime de aluguer operacional de veículos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer carros elétricos nas frotas das empresas públicas, mas tem de haver redução de custos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião