Melhorar SIRESP pode custar até 25 milhões de euros

  • ECO
  • 27 Junho 2019

O grupo de trabalho que analisou o SIRESP a pedido do Governo concluiu que a rede precisa de melhorias significativas. Implementar as recomendações pode custar até 25 milhões de euros.

Tornar a rede de comunicações de emergência do Estado numa rede mais moderna e segura pode custar entre 20 e 25 milhões de euros aos cofres públicos, concluiu o grupo de trabalho que esteve a analisar o SIRESP para propor soluções para o futuro do sistema. A empresa vai passar para o controlo estatal no final deste ano, mas o atual contrato de fornecimento de serviços com a Altice e a Motorola só termina daqui a dois anos.

O relatório, elaborado pelo Instituto de Telecomunicações a pedido do Governo, inclui 47 recomendações para o futuro desta rede, que entrou na agenda pública depois das falhas registadas durante o grande incêndio em Pedrógão Grande, que matou mais de 60 pessoas em 2017. Desde então, o Estado tem sido pressionado a garantir a qualidade e o pleno funcionamento da infraestrutura, mesmo em situações de catástrofe. A pressão levou o Governo a comprar a totalidade do capital da empresa, por sete milhões de euros.

Apesar de o Executivo reiterar que os portugueses “podem confiar” no SIRESP, o grupo de trabalho aponta que, tal como a rede está, não é segura, sobretudo “em situações extraordinárias”, noticia o Público (acesso condicionado). Em causa está o facto de ser constituída por estruturas “muito vulneráveis” e que não permitem atualizações muito significativas ao nível tecnológico no futuro pós-Altice e Motorola.

A segurança do SIRESP não está em conformidade com os requisitos, adotados a nível internacional,

Relatório do grupo de trabalho que analisou a rede SIRESP

O jornal cita mesmo o relatório do grupo de trabalho, que não deixa dúvidas quanto à necessidade de melhorias na rede de comunicações pública: “A segurança do SIRESP não está em conformidade com os requisitos, adotados a nível internacional, exigíveis a sistemas de radiocomunicações de proteção pública e recuperação de desastre, utilizados para o cumprimento de operações de proteção civil, de segurança interna ou de planeamento civil de emergência, em especial em situações extraordinárias”, lê-se no documento consultado pelo Público.

O grupo recomenda, entre outras coisas, a criação de uma rede de cabos de fibra ótica enterrados ou o uso de feixes hertzianos, que são ligações via ondas eletromagnéticas muito direcionadas ponto a ponto. Tudo somado, as melhorias sugeridas, que se traduzem em investimentos profundos na estrutura e infraestrutura, poderão custar ao Estado até 25 milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Melhorar SIRESP pode custar até 25 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião