Número de empresas do setor dos transportes aumenta pela primeira vez desde 2012

  • Lusa
  • 28 Junho 2019

Em 2017, o setor dos transportes representava 4% das empresas em Portugal (16 mil empresas), 3% do volume de negócios (12 mil milhões de euros) e 4% das pessoas ao serviço (113 mil pessoas).

O setor dos transportes integrava 16 mil empresas em 2017, mais 0,3% que em 2016, representando um aumento do número de unidades em atividade pela primeira vez desde 2012, informou esta sexta-feira o Banco de Portugal.

Segundo a análise das empresas do setor dos transportes divulgada pela Central de Balanços do Banco de Portugal, em 2017, “o setor dos transportes representava 4% das empresas em Portugal (16 mil empresas), 3% do volume de negócios (12 mil milhões de euros) e 4% das pessoas ao serviço (113 mil pessoas)”.

O estudo conclui que, apesar da variação do número de empresas em atividade nesta área ter sido positiva pela primeira vez desde 2012 e de ter sido criada uma empresa por cada uma que encerrou (rácio natalidade/mortalidade), o peso do setor no total das empresas manteve-se praticamente inalterado na comparação com 2016, independentemente da variável considerada.

O volume de negócios daquele setor aumentou 11%, o que constitui uma variação superior à observada no total das empresas (9%) e ao “crescimento marginal do volume de negócios do setor em 2016”, refere o documento. Em 2017, 90% das empresas desta atividade eram microempresas que geraram 12% do volume de negócios e empregavam 25% das pessoas ao serviço no setor.

As grandes empresas, que representam 0,3% do total das que operam naquele setor, foram responsáveis pela maior parcela do volume de negócios (47%). Já as pequenas e médias empresas (10% das empresas do setor) agregavam 43% das pessoas ao serviço nos transportes.

Quanto à análise por segmentos de atividade, conclui-se que, em 2017, as grandes empresas assumiam maior relevância nos transportes aéreos (10% das empresas do segmento, representativas de 86% do volume de negócios e 92% das pessoas ao serviço), enquanto as microempresas eram mais relevantes nos transportes terrestres de passageiros (98% das empresas do segmento, que agregavam 22% do volume de negócios e 39% das pessoas).

Os transportes terrestres representavam 98% das empresas, 88% das pessoas ao serviço e 59% do volume de negócios do setor. Os transportes terrestres de mercadorias assumiam um peso considerável ao reunirem 51% das empresas do setor, 49% do volume de negócios e 62% das pessoas ao serviço.

Em 2017, os transportes aéreos, representativos de 1% das empresas do setor, agregavam 37% do volume de negócios e 10% das pessoas ao serviço. Os transportes por água representavam 1% das empresas do setor dos transportes e do número de pessoas ao serviço e, em 2017, geraram 3% do volume de negócios do setor.

Relativamente à análise por zona geográfica, a área metropolitana de Lisboa agregava 36% das empresas e 55% do volume de negócios dos transportes, embora os Açores se destaquem como a zona onde o setor foi mais relevante, representando 6% do volume de negócios das empresas aí sediadas.

A autonomia financeira do segmento dos transportes aumentou em 2017, embora se tenha mantido abaixo do valor registado pelo total das empresas, e o passivo diminui 9%. A Central de Balanços do Banco de Portugal publicou o estudo das empresas do setor dos transportes pela primeira vez em 2017, com dados relativos ao período de 2011 a 2015.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de empresas do setor dos transportes aumenta pela primeira vez desde 2012

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião