Supervisor dos Seguros pede mais dados sobre Montepio

  • ECO
  • 29 Junho 2019

A ASF pediu esclarecimentos adicionais relativos ao pedido de registo dos dirigentes e administradores do Montepio Geral, equipa liderada por António Tomás Correia.

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) considerou insuficientes as informações constantes no pedido de registo dos dirigente e administradores do Montepio Geral, tendo pedido esclarecimentos adicionais. Segundo avança o Expresso (acesso pago) este sábado, foram também solicitados dados a outras entidades de supervisão.

O supervisor nota que, apesar dos pedidos de informação anteriores (que incluem o registo criminal de Tomás Correia e de 22 dirigentes da Associação Mutualista), não chegaram todos os dados considerados adequados, tendo requerido elementos adicionais cuja resposta se aguarda“.

Contactada pelo semanário, a associação liderada por Tomás Correia esclarece: “A ASF identificou insuficiências relativamente a alguns dados individuais e nenhum deles respeitava à administração. Essas insuficiências foram imediatamente esclarecidas“. A entidade defende ainda que se encontram “reunidas todas as condições legais e regulatórias” para o registo de todos os membros eleitos em dezembro.

Além de pedir informações adicionais ao Montepio Geral, a ASF solicitou mais dados também a outras autoridades de supervisão, como o Banco de Portugal e a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Tomás Correia, recorde-se, foi condenado ao pagamento de uma coima de 1,25 milhões de euros num processo contraordenacional do supervisor da banca (do qual recorreu), que despertou uma necessidade de clarificação legislativa sobre quem tinha poderes de avaliar a sua idoneidade enquanto dirigente da mutualista. Ficou claro que esse papel cabia à ASF.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Supervisor dos Seguros pede mais dados sobre Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião